quinta-feira, 18 de setembro de 2008

A Pedra




Por que essa confusão
Dentro de mim?
Que explode em profusão
Me deixando assim...

Minha mente em débil socorro
Castiga minh'alma sem piedade
E é dabalde de mim qualquer esforço
De querer esconder uma sutil vivacidade

Esperteza que brinca com este sentimento
Que aflora sorrateiro inquietante
E que para cada novo momento
Esquece um outro bem frustrante

Meus pensamentos em rodopios
As vezes suaves ou contrafeitos
Me mostra da vida pequenos desvios
Que suaviza a dor desse meu peito

Mas porque tanto questionamento
Pois se na nossa caminhada
Em meio aos grandes deslizamentos
Para mover-nos das grandes paradas

Surge sempre uma bendita pedra
Que calma como um remanso
Decidida nos livra das quedas
Se transformando em nosso anjo

E como uma rocha que não se abala
Erguesses em minha defesa
Aquela voz que nunca cala
E que persiste sempre benfazeja

E como afirmasse ser
Uma pedra no meu caminho
Que bom se todos pudessem ter
Uma pedra que só emana carinho

E foi na firmeza dessa pedra altiva
Que encontrei a paz tão desejada
Essa paz hoje tão indescritível
Que só a sente quem é amada

És a sombra repousante e calma
De uma existência antes tão dura
E foi na nobreza da tua alma
Que descobri a amizade pura

És para mim tão perfeito
Mas tão cheio de virtudes
Que surgindo qualquer defeito
A minha alma não se fará incute

És por demais precioso
Es para mim um bem tão caro
Que qualquer termo duvidoso
Me mostra que és um presente raro.

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios