segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Orgulho



Na primavera da existência
Deixaste a flor do amor
Secar na aridez da tua indiferença
E eu
Como que entorpecida
Pela dor da desilusão,
Vi as pétalas murcharem
Na acomodação da minha
Desesperadora impotência,
Onde a soberba encobriu
A sofreguidão de amor
Que me ía na alma.
As lágrimas que rolaram
Apenas conseguiram
Regar a flor
Já quase extinta de sentimentos,
E de uma corola
Foi retirado o pólen
Que deu vida a outra vida,
Pois mesmo não vivendo
Ela continuava a existir.

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios