terça-feira, 16 de setembro de 2008

Esse Nosso Olhar



Pensando nesse teu lânguido olhar
Relembro o que ouvi em tenra idade
Pois me era natural alguém se apaixonar
Mesmo não havendo reciprocidade

Os anos se passaram naturalmente
Então um dia sem querer encontrei
Um olhar atrevido que imediatamente
Sem perceber no tempo eu voltei

Comigo também havia sido assim
Olhar misterioso e encantador
Que deixou profundas marcas em mim
Particularmente de um momento arrebatador

Hoje porém, na beleza da maturidade
Encontro no encanto desse teu olhar
Tudo o que vivi com muita simplicidade
Sabendo que me era simples conquistar

Histórias belas, loucas e simples também
Se imortaliza através de um sedutor olhar
Mas o que mais me chamou a atencão porém
Foi descobrir que para tudo existe um par

Reconheço que a mãe natureza
Em muito também ajudou
Mas o mistério com toda certeza
Em nosso íntimo nosso olhar buscou

Já ouviste muitas vezes com cinismo
O que provoca esse teu olhar
E confesso sem falso moralismo
Que algo parecido cansei de escutar

Mas o teu olhar, esse teu olhar
Que parece queimar quem o
Só me faz risonha relembrar
De uma garota que foi bem atrevida

Soltava faíscas pelo inocente olhar
Incitando a lascívia sem perceber
Esquecendo que não se deve brincar
Com quem só sabe tudo prometer

E por causa de um inocente olhar
Assim como o teu, provocador
Descobri a beleza do verbo amar
E conheci da vida a mais pungente dor

E tudo isso por causa de um olhar
Olhar que mesmo pudico, tudo prometia
Como o teu que as vezes me faz lembrar
Todas as coisas que eu tanto queria

Esse teu olhar límpido como já foi o meu
Atrevido e ousado como existem poucos
Que na maturidade consegue atingir o apogeu
Dos sentimentos que nos parecem loucos...

E é nesse olhar ufano e de rara beleza
Onde o mistério do mar parece se confundir
Tem no recôndito do teu âmago uma riqueza
Que sentimento algum poderá destruir

Olhar lúbrico, tendioso mas arrebatador
Que se mistura aos ocultos desejos
Trazendo à tona todo aquele amor
Que esse olhar revela num lampejo

Esse teu, esse meu, esse nosso olhar
Que loucuras com certeza já viveu
Onde as chamas parecem reavivar
Tudo o que no tempo parece que já morreu

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios