quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Dor Imensa


Eu tenho uma tristeza tão grande... Tão imensa
Que chega a ser maior
que a própria dor que a causou
E tenho por certo que mediante tudo
as vezes até penso
Ter sido algo banal e que tudo já passou

Mas é inútil, pois esta ferida
que só tende a crescer
Ninguém nunca haverá de compreende-la
também
E eu não acredito que não percebas
que foi você
O causador dessa angústia que vai
da dor, mais além

Eu que nunca achei dificuldades
em perdoar
Hoje percebo que nem sempre
as coisas são assim
Talvez esteja longe de mim
o verdadeiro sentido de amar
E que seja só por isso que há
tanta dor em mim

Espero que isso acabe algum dia
E que confiança eu volte a ter
Aí, quem sabe renasça em mim
a verdadeira alegria
E eu consiga de outra forma
sentir você

domingo, 26 de dezembro de 2010

Vazio Profundo


Quantas vezes em meus tristes lamentos
Eu consigo disfarçar as minhas mágoas
Procurando esquecer os meus tormentos
Mesmo tendo os meus olhos rasos d'água

E uma sensação de vazio profundo
Me envolve parecendo me asfixiar
Mais triste é saber que nesse mundo
Nada acontece que possa me alegrar

E entre lágrimas e as vezes risos
Chorando ou zombando da minha dor
Eu sinto que na verdade o que preciso
É vencer a ausência desse perdido amor

Mas talvez eu consiga preencher um dia
Esse vazio que se fez grande em meu viver
E talvez eu consiga sentir outra vez alegria
Se esse vazio eu tiver preenchido por você

Livremente


Quantas vezes eu já senti
O suave perfume da saudade
Por tudo quanto com você vivi
Busco-o em minhas verdades

E quase que sem nenhuma razão
Sinto o corpo fremindo de desejos
E nesse momento percebo a emoção
Sufocando todos os meus medos

E uma lágrima cai pelo meu rosto
E a sinto livremente escorrer
E sinto ressuscitar o que julguei morto
esse meu enlouquecido desejo por você

E indiferente ao tempo, vejo amanhecer
E mais uma noite estive a lhe esperar
e tenho por certo que assim será,até você
Um dia surgir à minha frente e me falar

Mas acredito que serás tomado pela emoção
E nada do que pensasses irás me dizer
E eu como que encantada, sentirei no coração
A grande chance de amar outra vez você

Ultrajante


Que saudades hoje em dia eu tenho
Dos belos tempos de outrora
E nesse lamento eu aqui venho
Expor meus sentimentos de agora

Hoje prevalece forte a maldade
Pouco vemos de atos solidários
E isso nada tem a ver com a idade
Pois o mal raramente é solitário

À terceira idade só restam os lamentos
E as lágrimas que vez por outra nos surge
Se perdeu no tempo todo o encantamento
Hoje parece ser ultrajante a virtude

Na minha boa época de adolescência
Era forte o sentimento de amor e respeito
Também era raro a prática da desobediência
E desfrutávamos do melhor da vida com jeito

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Penso



As vezes penso que estou só
Embriagada de desejos e solidão
Mas eu sei que tudo seria muito pior
se não existisse saudades em meu coração

Bem sei que vivemos uma vez apenas
E que cabe a cada um tentar ser feliz
Mas para mim a dor nunca foi amena
Mesmo que para isso acontecer nada fiz

Na verdade, fazer eu bem que tentei
Mas foi em vão, hoje, confesso
E eu lembro até onde falhei
Foi ao tentar com o destino um protesto

E fui deixando que tudo acontecesse assim
Da forma como na minha vida tudo ocorreu
Tudo contribuiu para chegar a esse fim
Mas foi inútil, já que esse amor nunca morreu

Me Perdi



Fiquei perdida durante alguns dias
Pois não conseguia pensar em você
Eras sem dúvida a minha falsa alegria
O meu tudo que eu parecia esquecer

Agora, de repente, tudo parece acontecer
Bem sei que sinto não ser do mesmo jeito
Mesmo tendo vivo meus sentimentos por você
Estes já não me parecem mais tão perfeitos

Mas na verdade pouco importa para mim
Na verdade não importa nenhum pouco
Pois não existe mais o medo de ver o fim
Desse amor que as vezes me parece louco

E vibro diante dessa esperança viva
De toda essa loucura que insisto em reviver
E não há outra forma de viver que eu persiga
Que não seja lembrando tudo de você

Tênue Esperança


Eis que eu estou de volta finalmente
E com uma louca vontade de escrever
E até devo confessar muito calmamente
Que tudo tentei para não lhe esquecer

E estou me sentindo como uma criança
Ao sentir a brisa que entra pela janela
E sinto reacender uma tênue esperança
De conseguir escrever as frases mais belas

E em balbúrdia sinto os meus pensamentos
Me impingindo com lascívia, sensações
E esqueço por completo todos meus tormentos
E vibro diante dessas saudosas emoções

E meu corpo sente a aproximação da sua boca
E as lembranças parecem me enlouquecer
E ouço um gemido e a sua voz quase rouca
E nesse momento nos fundimos num só, eu e você

Crescente Sentimentos


Hoje o dia amanhceu até bastante nublado
E sem demora eu pude ver uma chuva copiosa cair
Talvez seja a natureza que chora o que tenho chorado
Quando senti as tuas lembranças de mim se esvair

Foram tantas noites tristes e amarguradas
Que no meu desespero não conseguia entender
Mas eu sentia que esses muitos momentos calados
Não levaria pra sempre as lembranças de você

Nesse instante sinto uma certa paz a mim chegando
Ela sabe que não há nenhuma outra forma d'eu viver
Que não seja a cada momento poder ficar relembrando
Cada uma das loucuras que eu pude desfrutar com você

E agora são sete horas e vinte minutos dessa manhã
Dia quatro desse esperançoso mes de dezembro
Que eu finalmente posso dizer num agradável afã
Que minha alma continua aconchegada aos teus braços

Nunca imaginarás quão grande era o meu desgosto
De não conseguir pensar nas coisas que me aconteceram
E senti um crescente sentimento, as vezes quase louco
Pois eu não aceitava que no tempo meus sonhos se perderam

Desejo Insólito


Quantas vezes estive aflita e angustiada
Por achar que tudo estava para mim perdido
Mas quando me falaram de você tão familiarizada
Senti renascer o desejo insólito pelo esquecido

E uma voz tão afoita e bem mais que atrevida
Me falou sem segredar o que talvez pudesses
E me desfilaram vozes e cenas tão queridas
Mesmo que recordar no momento eu não quisesse

E lancei-me ávida as muitas lembranças
Que durante dias permaneceram adormecidas
E senti brotar um novo fio de esperança
Por cada uma daquelas emoções vividas

E voltei a buscar no tempo e no espaço
Cada pormenor que me trouxesse vida
E senti mais uma vez o calor dos teus braços
E revivi cada sensação que me foi permitida

E vou calmamente tentando libertar
Na forma mais pura que conheço, que é escrever
Pois eu sei que novamente voltarei a amar
Toda lembrança preciosa que eu tenho de você

Velhas Emoções


Parece que essa minha nova fase acabou
É que hoje senti um velho sentimento renascer
E assim pouco durou o esquecer desse meu amor
É que novamente senti bem perto de mim, você

E de repente velhas emoções ressurgiram
Nem parece que haviam se ausentado de mim
E se retornaram foi porque perceberam
Não ter como por nessa história um fim

Aguardarei ansiosa pelas madrugadas que virão
Pois sinto que esse despertar será como sempre
Não há como apagar tudo isso do meu coração
Pois é quando escrevo que eu me sinto contente

E sinto que não adianta ao destino questionar
Pois isso é algo muito forte para assim destruir
Nunca é tarde para na vida algumas coisas retomar
É só dar uma chance do coração finalmente decidir

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Sem Nada Entender


Eu queria uma vez mais escrever
E expor tudo o que sempre na alma guardei
E deixar meu pensamento buscar você
E lhe encontrar como tantas vezes encontrei

Deixar minha alma sangrando de dor
Ao lembrar tudo o que vivemos a dois
Reviver cada momento desse amor
E no tudo que deixamos pra depois

Mas estranhamente hoje eu não consegui
Olhar pra trás e você como sempre encontrar
Pensar em tudo que um dia eu vivi
E sem culpa poder outra vez com você sonhar

Mas é estranho em tudo isso voltar a pensar
Pois hoje parece que essa história nem foi comigo
E por mais que eu tente não consigo relembrar
E já não busco o que tanto me foi proibido

E fico a pensar no que farei para ainda escrever
Se, sem você, eu não mais conseguir me inspirar
Pois tudo o que eu sempre procurei em você
Foi conseguir outra vez mais poder lhe amar

E sem querer me sinto nesse momento perdida
Pois já não consigo pensar como antes em você
Receio que toda essa história por nós vivida
Hoje termina sem que eu consiga algo entender

É Tudo Tão Estranho


Eu não sei o que é que está acontecendo
Pois busco-o na memória e já não o encontro
Acho-o sim, no horizonte da minha vida se perdendo
E disso eu tenho medo e não quero aceitar...
Mas a minha alma me parece tão indiferente
Acho mesmo que ela não sente
Ou não quer essa mudança aceitar

Tento chorar e as lágrimas não vêm
É como se elas tivessem secado
Tenho o espírito tranquilo, tão sereno
Eu sinto e vejo tudo tão diferente porém
Parece até não mais haver um coração machucado
Em mim já não sinto aquele grito calado
Apenas me sinto calma e estranha também

E olhando para trás percebo a distância
Que parece surgir com certa alegria
Já não preciso do tempo, a arrogância
Esta se perdeu nas longínquas agonias.
Não sei realmente o que está a acontecer
Tento buscar vida onde sempre encontrei
Mas estou percebendo que ela já não é mais você

E uma indiferença pelo que foi... Acontece
E não encontro para isso nenhuma razão
Será não ser mais você a minha espera
O meu tudo e a minha inspiração?
O que será que está me acontecendo?
Já não tenho olhos nem ouvidos para o ontem
Eles se fecharam no meu hoje, numa fria emoção

Que sentimento será esse que me é indiferente
Que parece acabar com o tudo que sempre foi
Será que já não esperarei pelo depois
Que insistentemente busquei pela vida à fora?
Será que o que eu sempre julguei ser o meu tudo
Se perdeu nessa longa e triste história
E que o meu coração apenas repousa mudo?

Incontáveis Cicatrizes


Parece que o meu saudosismo terminou
Já não consigo pensar como antes no passado
Olho para trás e sinto que mais nada restou
É mais que isso... Acho que nada ficou inacabado

Não sei o que pensar diante desse novo fato
Pois eu sempre tirei vida do que parecia morto
E hoje é como se eu estivesse livre desse pecado
Penso que pratiquei com essa história, um aborto

Eu sei que restarão as incontáveis cicatrizes
Pois foram muitos anos de lutas, decepções e dor
E sabendo que não teria, nunca busquei dias felizes
Pois eu só vivia para essa triste história de amor

Mas agora, nesse exato e também certo momento
Nem sei explicar o que eu hoje estou a viver
Talvez a minha libertação de um grande tormento
Ou então o final dessa minha obsessão por você

Seja lá o que for que está me acontecendo
Sinto-me entre anestesiada e indiferente
Por certo não mais terei que ficar revivendo
Os meus fantasmas para sentir-me gente

Pois, por mais que eu tente pensar no passado
Sinto-me ir de encontro a uma impenetrável barreira
E percebo não ter mais o meu coração magoado
Sem dúvida a solidão já não é mais minha companheira

Para mim eu hoje vejo,uma história que se inicia
Talvez eu tenha do presente toda a esperança
De saber que terei muita alegria como companhia
E poderei sentir da vida o prazer como uma criança

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Finalmente


Essa está sendo uma nova fase em minha vida
Não encontro sentido no passado para escrever
Tudo me parece distante, sinto-a morta, perdida
Se dissolvendo no ar, essa minha história com você

No passado foi um sonho que o meu presente
Em pesadelo um dia sem razão transformou
Mas para o meu futuro eu vejo finalmente
Que esse novo horizonte friamente o sepultou

A saudade talvez ainda seja um resquício distante
De uma história que no tempo o próprio tempo
Achou por bem fazer-me esquecer de cada instante
E as lembranças se foram como folhas soltas ao vento

Já não terei as madrugadas por minha companheira
E nem as suas lembranças por consolo ou tormento
E nem mesmo a solidão por amiga e escudeira
Acho que aqui terminam minhas agonias e sofrimentos

E quase nem acredito no que está a me acontecer
Já não consigo encontrá-lo nas lembranças saudosas
E também descobri finalmente que nesse momento você
Faz parte de uma história morta que me foi dolorosa

Nova Etapa


Passei pela vida em louca disparada
Sempre querendo o que eu nunca conseguia
E o que julguei ser o meu tudo, era meu nada
Pois sempre me dava eram falsas alegrias

Mas hoje vejo tudo de uma forma diferente
E sinto que uma nova etapa se inicia
E aquela busca incessante e tão inclemente
Ficou para trás. como toda minha agonia

Não sei definir como hoje me sinto
Ainda é cedo para ao certo afirmar
Mesmo assim, eu as vezes pressinto
Que devo partir do nada para recomeçar

Zerar calmamente todos os meus sentimentos
E expor apenas o que surge daqui pra frente
Não posso mudar da vida os acontecimentos
Mas serei para com o meu tudo mais exigente

Deixarei para trás o que eu tanto busquei
Pois descobri já não ser pra mim tão importante
Acredito que hoje eu finalmente encontrei
Uma paz que esteve por muito tempo de mim distante

Provavelmente não mais escreverei como outrora
Pois algo parece estar mudando dentro de mim
E acredito que tudo isso que se passa agora
Será para na vida passada eu conseguir por um fim

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

O Tempo Com O Tempo


Nada parece de verdade me importar
A cada passo que na vida tenho dado
E pouco eu tenho conseguido falar
E nem sei por onde tenho caminhado

E a cada momento que por mim passa
Vai ficando mais difícil entender
Pois por mais que eu ainda faça
Nunca o faço realmente por querer

E todas as vezes que me pego pensando
Em tudo que nessa vida eu já passei
Confesso que eu sempre vou deixando
Vestígios daquilo que eu tanto amei

E já nada mais me importa agora
A solidão em minha alma já perdurou
E talvez essa nem seja mesmo a hora
Que o tempo com o tempo por mim marcou

Sorriso De Paz


Entre tantas coisas que ainda existe
Há algumas que também me fazem chorar
E quando a maldade humana persiste
Vemos que fica difícil na vida sonhar

Sonhar com uma razão para lutar
Na esperança de ainda podermos ver
Que muito se faz quando se consegue amar
E que muito ainda teremos que aprender

E enquanto a nossa mente se esgota infeliz
Pouco percebemos para querer algo resolver
Mas se todos fizessem um pouco do muito que diz
Por certo não precisaríamos de muito mais querer

E sem perceber, num débil e louco gemido
Desperto esperançosa tentando de compreender
Que por mais difícil que se tenha percebido
Nada será diferente se não houver um certo poder

E continuo ouvindo os lamentos que se perdem
Que inutilmente tenta um pouco as coisas melhorar
Tudo porque os homens em sua maldade não conseguem
Ter um sorriso de paz num sublime gesto de amar

Guardo Em Silêncio


Hoje eu quero muito, dormir
Dormir para não mais acordar
Pois só assim eu deixarei de sentir
Essa angustia que está a me matar

Há alguns dias eu nem me sentia mal assim
Tão infeliz e desgraçada, até parece que
Finalmente é chegado o meu triste fim
E por mais que eu olhe, nada consigo ver

E uma sensação bem mais constrangedora
Parece que vai finalmente me asfixiar
E essa dor na alma inquieta e imorredora
Guardo em silêncio com receios de falar

E nesse desespero que me chega a ser brutal
Cambaleante dou uns passos ao perceber
Que o meu desespero será bem maior afinal
Se meu pensamento conseguir lhe esquecer

E entristecida sinto a minha alma chorando
Ela sente a dor cruel que está a me castigar
E prossigo no meu lamento calado, sussurrando
E sinto o quanto é difícil meu pranto segurar

E eu sei que as horas que esperam por mim
Serão de extrema dor e grande solidão
Minha angústia é saber que não haverá um fim
Nesse sofrimento que se alojou em meu coração

Amargo Desabafo


As lágrimas bailam em meus olhos
E a custo as consigo segurar
Elas apenas expõe o que na minha alma
Procuro com desespero disfarçar
Mas eu sei que tudo o que passo
Na frieza de um triste abraço
Conseguirei num simples compasso
Pra longe de mim arremessar

Pois não será ainda dessa vez
Que serei vencida pela dor
Embora eu sei que muito lutarei
Para não sucumbir a essa falta amor
Mas um dia bem sei acontecerá
O que para muitos ainda será
A grande verdade que haverá
De matar de vez a minha dor

E muito terei que aprender
Pois mesmo na dor devo sorrir
Não importa as pedradas que me atingiu
Pois um dia finalmente eu irei sentir
Que o maior dos meus sofrimentos
Talvez tenha sido a perca de tempo
Quando fingindo em cada momento
Esqueci de viver e só fiz existir

E nesse desabafo tão amargo
Busco também do tédio me livrar
E mesmo que eu nunca venha entender
Ainda assim... Tentarei me libertar
E se algum dia eu conseguir
Talvez eu venha novamente a sorrir
E mesmo que a vida volte a insistir
Tenho certeza que esse dia chegará

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

De Maneira Simples


Ao Querido José Carlos De Melo

O Zé Carlos é um bom sujeito
E creiam, isso não há como negar
Nos trata com carinho e respeito
E agora dele eu aqui vou falar

Do nosso curso ele é o coordenador
Em tudo que faz tem amor e dedicação
É sempre atento além de observador
E é muito zeloso em sua profissão

Nele sempre surge o companheirismo
E em sua euforia se mostra um alguém
Que não se prende a vaidade e comodismo
Pois é sensato e procura ser justo também

E na sua caminhada lhe reserva o destino
O que tenho por certo, o seu justo valor
Conserva na sua simplicidade o objetivo
E é desse modo que eu vejo esse professor

Por ele eu nutro um verdadeiro carinho
E um grande respeito sem nada questionar
Como é bom encontrar em nosso caminho
Pessoas como o Zé Carlos para nos ajudar

Ele ainda prima para que possamos ter
Da vida profissional a grande realização
Pois ele nos mostra que não basta só querer
É necessário que se ame a escolhida profissão

E hoje de maneira bem simples eu tentei
Falar um pouco desse cara que julgo legal
Até que foi muito fácil pra mim, bem sei
Pois eu o acho simplesmente sensacional

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Tempo De Viver


Há dias que me sinto estranha
Um vazio inquietante me domina
E percebo meu espírito em campanha
Mexendo com a minha calma em surdina

E me convenço cada dia que passa
Que este martírio tão cedo terá fim
E nada do que eu sinta ou mesmo faça
Conseguirá tirar isso de dentro de mim

E lentamente como num entardecer
Meus olhos pesam e os sinto fechar
E sinto como se eu fosse enfim morrer
Meus sentidos começam a me abandonar

.........................................................................

Olhos semi-cerrados, deixaram de viver
Em débil agonia ouço meu espírito lutar
Por certo entende não ser este meu querer
A minha alma está apenas precisando de amar

Amar a cada luta que calmamente me vem
Amar cada dia que só quer me abraçar a sorrir
E só assim muito mais vida para minha vida tem
E desse jeito, talvez eu não precise mais fingir

Mas os meus pensamentos em louca balbúrdia
Me desperta, tentando me fazer compreender
Que não importa quão seja a ideia estapafúrdia
Por certo ainda me será chegado o tempo de viver

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Primeiro Amor


Estou de volta ao meu mundo vazio
Onde mora apenas eu e a minha dor
Lamento sempre por esse toque tão frio
E pela falta do meu inesquecível amor

E como louca passo as noites acordada
Pensando em tudo que a vida me tirou
Te foste deixando minha alma atormentada
Pela perca terrível do meu primeiro amor

E hoje já quase nem consigo dormir
E quando aceito o abraço frio da madrugada
É apenas tentando a minha solidão diminuir
E fantasiando o quanto ainda sou desejada

Nunca terei como alimentar minha esperança
Pois todas as vezes que tentei foi em vão
Perdi por completo o ar de inocente criança
Ao deixar a amargura fazer morada em meu coração

E por mais que eu tenha tentado nunca consegui
Sufocar no silêncio essa minha tão grande dor
Pois o que eu ainda quero é o tudo que vivi
É toda a loucura dessa nossa história de amor

Ausência Doída


Nesse mundo temos visto tantos horrores
Que nos chocam e que é difícil de esquecer
Soçobram as muitas mágoas dos grandes amores
Mas de tudo o mais difícil é viver sem você

Pois pra mim tudo perdeu a beleza e o sentido
E nada que acontece consegue essa dor suavizar
Vivo solitária e sempre em busca do algo proibido
Proibição essa tão difícil e eu não consigo aceitar

E são muitas as vezes que em suaves lamentos
Ou mesmo em angustiosa e interminável dor
Que eu choro diante desse meu sofrimento
Que me foi causado pela perda de um amor

E isso é algo que muito tem me atormentado
Que tanto me impede de algo compreender
Pois eu tenho o meu coração dilacerado
Tudo por causa dessa ausência doída de você

Mas quem sabe um dia eu ainda veja
Tanto sofrimento finalmente ter um fim
Para isso basta dizer que ainda me desejas
E que ainda continuas pensando em mim

Ter De Volta


Não sei realmente o que se passa comigo
Pois não estou conseguindo me compreender
Nem sei se me sinto morta por algo perdido
Ou então se busco vida pensando só em você

E numa angústia sem aparentar nenhuma razão
Tento me enganar fingindo estar tudo bem
Mas a tristeza que se alojou em meu coração
Está das minhas forças muito mais além

E luto querendo por nisso tudo um fim
Tentando clarear um pouco meus dias
Mas sinto que não tem sido fácil pra mim
Resgatar um pouco da minha perdida alegria

E me conformo com o que está acontecendo
Procurando me refugiar em perdidas lembranças
Pois eu sei que mesmo que eu esteja sofrendo
Não consigo nunca matar essa minha esperança

E quem sabe um dia o milagre aconteça
E eu possa finalmente a felicidade merecer
Pois não há um só momento que eu esqueça
Desse imenso desejo de ter de volta você

Talvez Nem Fingindo


Esse mundo que criei de ilusões
Não deve nunca a ninguém preocupar
É certo que ele é repleto de seduções
Mas só para mim que vivo a sonhar

Esse meu mundo tão sonhador
Não sei, a alguém parece assustar
Mas só para mim ele fala de amor
Um amor que só sabe me magoar

Mas ai de mim se ele não existisse
Se da minha vida ele não fizesse parte
Talvez nem fingindo, sorrir eu conseguisse
Apenas iria sucumbir diante da minha idade

E nesse meu mundo tão incompreendido
Que as vezes soluço ou rio de paixão
Onde meus sentimentos mais atrevidos
Explodem de loucura em forma de emoção

Mas é nesse meu mundo tão calado
Que sufoco mágoas e choro minha dor
Onde padeço a saudade de um passado
Ressuscitando uma história de amor

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Sonhos Desfolhados


As vezes me sinto tão sozinha
Sem coragem e bem mais perdida
E retrocedendo diante de tudo.
E essas lágrimas nunca resumidas
Parecem desfolhar os meus sonhos...
E nessa agonia ainda me proponho
Igualmente nos versos que componho
A desdenhar-me nos percalços da vida

E então eu percebo estar realmente só
Pois não existe nesse momento ninguém
Que tenha para mim um pouco de atenção
E logo vou percebendo também
Que por mais que essa verdade me doa
Ouvir esse grito calado que na alma ecoa
Será mais uma música triste que se entoa
Por cada minuto que se espera e nunca vem

E sinto que durante cada sonho
Mil verdades se perderam no ar
E realmente nunca terei como saber
Se alguma vez eu pude me calar
Diante de tudo quanto pensei
E que por tantas vezes eu chorei
Por ver que tudo quanto sonhei
Se desfez como bolhas no ar

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Minha Filosofia


Pela vida caminhei sem contornar
Os muitos obstáculos que iam surgindo
Nem sempre tive a sorte pra me ajudar
E assim que a minha alegria foi sumindo

Na estrada o pó foi se acumulando
Pois nem sempre eu conseguia afastar
E a vontade de lutar foi se distanciando
Pois o destino esqueceu de me preparar

Continuei juntando tudo quanto me surgia
E nunca afastei de mim as fortes investidas
Do perverso destino contra a minha filosofia
Pois eu sei que seriam tentativas perdidas

Hoje, tudo o que na vida ainda me restou
É a certeza de caminhar por sobre as sobras
Não importando qual seja o tamanho da dor
Nem tão pouco o que a vida me dá por prova

Mas quando eu já estiver bem velhinha
E o cansaço as minhas forças minar
Terei ainda todas as lembranças minhas
Que o tempo em vão tentou de mim extirpar

Destino


Eu não sei porque na vida da gente
Acontecem coisas as vezes sem sentido
Como, quando pessoas se tornam ausentes
Isso é coisa do destino,é o que nos têm dito

Não importa na verdade qual seja a razão
De vermos a nossa vida mudar de repente
São acontecimentos que machucam o coração
E que quase sempre não nos é indiferente

E embora os anos nós vemos passando
O que aconteceu sempre permanece guardado
Prosseguimos na jornada sempre caminhando
Mesmo que tenhamos um coração magoado

Um dia quem sabe ainda nos aconteça
O que a vida por capricho tenha nos negado
E só nesse momento veremos com clareza
O por que do nosso destino cruel e desgraçado

O Que Se Perdeu


A noite já vai alta num céu estrelado
E a madrugada já se aproxima tão fria
Eu nem sei se nesse momento estás acordado
Só sei que por nós envolvo-me em melancolia

E sou invadida por uma grande nostalgia
E os meus braços gélidos se cruzam sem dó
Há muito esqueci o que seja verdadeira alegria
Desde aquela manhã em que fiquei completamente só

E muitas manhãs já se passaram desde então
Me restou apenas os abraços das frias madrugadas
Deixei que o desamor fizesse morada em meu oração
Minhas noites escureceram, não são mais estreladas

No alpendre da vida eu calmamente me recostei
As vezes ainda sinto a brisa me tocando
Com a sua ausência tudo o que eu ganhei
Foi mais liberdade para continuar sonhando

E um dia eu bem sei que nós ainda teremos
Uma chance de algumas coisas entre nós esclarecer
Mas eu também sei que tudo o que nós faremos
Será lamentarmos o que se perdeu entre eu e você

Apenas Você


Eu estou me sentindo muito cansada
Já quase sem forças para suportar
A indiferença do destino e suas pancadas
E o que mais me machuca é não poder falar

Gritar para o mundo toda a minha dor
Que bravamente a tudo tenho resistido
Eu nunca pensei que sofreria por amor
Nem que padeceria por algo proibido

Mas nesse momento sinto uma dor estranha
Que parece estar esmagando meu peito
Mas eu sei que nem assim haverá barganha
Pois com o destino não se consegue um jeito

E calada tento dar descanso a minha mente
Pois ela sente os efeitos desse meu cansaço
Embora eu saiba que nunca haverá nada diferente
Pois nada chegará para aquecer os meus abraços

E amanhã será mais um dia tão comum e igual
Aos que tenho vivido... Sem nenhum prazer
Mas o que eu quero, da vida, um dia afinal
É ver finalmente surgir diante de mim apenas você

Não Foi Pelo Cansaço


Todas essas coisas que escrevo
São apenas para fazê-lo lembrar
E se hoje a tanto eu me atrevo
É por já não conseguir me calar

Descrevo muitas vezes em minúcias
Todos os sentimentos que um dia vivi
E se minha vida foi mais de renúncias
Receio não ter sido isso o que eu quis

E foram anos de sonhos e projetos
Que você com muito carinho arquitetou
E foi no amor de cada um dos seus gestos
Que pouco a pouco você me conquistou

Não foi tão somente pelo cansaço
Que um dia você finalmente me venceu
Foi sim, a ausência dos seus braços
Que no tempo a tudo me convenceu

Mesmo quando eu era quase menina
E você com certo cuidado se aproximou
Não pensei que seria cruel minha sina
Por mais tarde aceitar o seu amor

Vivemos momentos de tórrida paixão
E que serviu para me consumir por inteiro
Pois nasceu um sentimento em meu coração
O que chamei um dia de meu amor primeiro

Talvez nunca consigas de fato compreender
O que busco as vezes sem pudor lhe lembrar
Mas tudo o que faço é somente pra que você
Entenda apenas o que foi pra mim lhe amar




quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Melodia


Essa noite eu queria ver o tempo parar
E tranquila eu pudesse me fazer ouvir
E uma suave canção eu iria então cantar
Numa louca tentativa de me fazer sentir

E nessa melodia rica de sentimentos
Tentaria através da brisa te tocar
Fazendo-o reviver outros momentos
Onde teus toques conseguiam me encantar

Quisera que nada fosse interrompido
E apenas nossas mentes pudessem despertar
E como dantes, com gestos ousados e atrevidos
Voluptuosamente começasses então a me amar

E nessa loucura se perdesse todo o pudor
E apenas nós dois, um ao outro pudesse ouvir
E em toda insensatez desse nosso amor
Além de nós dois nada mais pudesse existir

E mais uma vez a noite se foi mas sem levar
A angústia desse tempo que no tempo não parou
E outra vez mais estive apenas a sonhar
Com mais uma realização dessa noite de amor

Uma Dúvida


Hoje, um vento forte sopra sem parar
Fecho os olhos e pareço ouvir sussurros
E sinto como se o vento quisesse me falar
Para que eu saia um pouco desse meu mundo

Me esforço mas percebo ser em vão insistir
Mesmo sabendo que a natureza quer me mostrar
Que nunca se deve das coisas boas desistir
Se não conseguirmos o rumo da nossa vida mudar

Então penso na paz que esse eólio me traz
E que muitas vezes me leva em algo pensar
Talvez eu pudesse quem sabe me sentir capaz
Se eu conseguisse parar um pouco de sonhar

Mas então uma dúvida logo me vem
E eu logo principio a tirar conclusões
Será que eu não conseguiria também
Dar novos rumos a essas minhas emoções?

Mas eu logo desisto dessa ideia absurda
Pois seria como matar sem dó o meu ideal
Eu nunca teria do destino nenhuma ajuda
E o meu viver seria muito mais banal

Não, eu não posso um preço tão alto pagar
Ainda que julguem ser para o meu bem
Pois ninguém me garante que não vives a sonhar
Desejando ao passado poder voltar também...

Aos Pequenos Indefesos


Ouço o suave gorjeio de um pássaro
E este parece estar muito feliz
O vejo saltitando entre os galhos
Me recriminando por me sentir infeliz

Naquele pássaro revejo outra imagem
Que o tempo nunca conseguiu desfazer
Uma pedra atirada levando vantagem
Fazendo um feliz pássaro morrer

Nunca consegui essa cena esquecer
Pois naquele momento venceu a maldade
Quando o pássaro talvez só quisesse comer
Mas uma mão infame cometeu uma atrocidade

Quantos animais indefesos têm perecido
Ante a mão miserável do seu agressor
Ou mesmo ante o olhar sem princípios
Que bem poderia ser um bondoso salvador

Mas o homem,quase sempre um ser perverso
E muitos dos quais até deveriam ser
Dessa maldade tão somente o inverso
Pois assim os pobres animais poderiam viver

E os animais de rua sempre tão só e indefesos
E sempre trazem no olhar mistura de amor e solidão
Se eu pudesse realizaria os seus desejos
Pois eles só querem amor um abrigo e salvação

Na Eternidade


Nessa fresca manhã de domingo
O que será que estás a fazer?
Não sei porque, mas eu pressinto
Que pensas no que fui pra você

As vezes é assim, nossos pensamentos
Nem sempre os conseguimos parar
Eles trazem à força alguns momentos
Que na verdade não gostaríamos de lembrar

Mas assim é a vida, nada podemos fazer
Quem sabe no amanhã encontres respostas
Que hoje persegues mas não consegues ter
E que talvez nem seja o que mais gostas

E se um dia quando tudo tiveres esquecido
E algo em tua memória de mim o faça lembrar
E se porventura nesse tempo eu já tiver partido
Não se queixe, pois foi maravilhoso te amar

E se nesse momento uma lágrima vier a cair
E as lembranças não te deixar me esquecer
Pense em tudo que fez esse amor existir
E que mesmo na eternidade estarei com você

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Tempo Perverso


Tenho medo de me olhar no espelho
E ver o estrago que o tempo já fez
Verei desbotado meus lindos cabelos
E o quanto aumentou a minha timidez

E o meu olhar que outrora foi tão sedutor
Há muito o brilho já perdeu isso o pressenti
Pois mesmo tendo conservando a beleza da cor
Mas o seu calor no tempo há muito eu perdi

E o meu corpo que sempre te encheu de desejos
O tempo tão perverso aos poucos o deformou
E desse tempo cada vez mais eu tenho medo
Pois receio um dia saber que meu sonho ele matou

Mas enquanto o pior não me acontece
Deixarei todos os meus fantasmas aprisionados
E se o tempo nada apagar a minha alma agradece
Principalmente o que nela eu tenho guardado

E são meus pensamentos que nunca me abandonam
É onde encontro vida para poder prosseguir
Os meus sentimentos eles mesmos comandam
E é nessa união que eu ainda consigo existir

Quando a Noite Cair


A madrugada mais uma vez se foi pela minha janela
Mas um suave perfume em meu quarto ficou
E como sempre a madrugada estava muito bela
Me fazendo esquecer o vazio dessa falta de amor

E por essa mesma janela vejo a manhã chegar
Ela traz consigo o brilho de mais um novo dia
Mas nem mesmo assim ela consegue me alegrar
Pois eu ainda tenho a alma envolta em agonia

E tudo por causa da sua ausência em meu viver
Que me deixa assim, tão abatida e tão infeliz
Mas eu tenho certeza que se eu encontrasse você
Verias que na tua presença meu olhar se contradiz

Talvez devido a força das lembranças que me vêm
E das quais não consigo me esforçar por acabar
Pois eu bem sei que são elas que a você também
Vez por outra lhe faz me encontrar no seu despertar

Porém bem mais tarde quando a noite por fim cair
E eu sentir que continuo cada vez mais sozinha
Abraçarei as lembranças que nunca deixam de existir
Pois elas fazem parte de uma vida que é só minha

Outra Vez Sonhando


Oi! A surpresa estampada em meu rosto
Revela que mesmo sendo algo tão desejado
Esse reencontro, no tempo havia perdido o gosto
Por isso estava tendo um desfecho inesperado

E foram longos anos de uma espera até paciente
Mesmo quando os minutos pareciam uma eternidade
E o tempo sempre impassível e bem mais inclemente
Nunca quis abreviar essa minha tão grande ansiedade

Mas hoje, aqui, debaixo dessa chuva tão fina
Onde eu brinco e me faço esquecida de tudo
Esse "oi" repentino me lembrou uma certa menina
Que em outros tempos te deixara quase mudo

E em todos esses anos de uma tão longa espera
De tantos desejos reprimidos e agonias sem fim
Eu julguei que seria diferente por ser uma quimera
Onde ela por certo te traria finalmente para mim

E perdida nesse mundo de fantasias e ansiedades
Lembro que já não me sinto como aquela menina
Pois o tempo com a sua indiferença e crueldade
Nesses anos transformou aquela lembrança em ferina

E mais uma vez aquele "oi" se faz ouvir
Me encolho toda entre feliz e muito inquieta
Mas nesse momento um vento num leve fremir
Entra sorrateiro pela minha janela e me desperta

Um Amor Verdadeiro


Eu queria saber quem foi que inventou
E deu vida a determinados sentimentos
Como a saudade, o ciúme e o desamor
Que se inicia com o distanciamento

É que a distância faz surgir a saudade
Que não precisa de uma longa permanência
Para aparecer o ciúme e este por maldade
Fará surgir o desamor, como consequência

São sentimentos mesquinhos bem se vê
Pois tirando a saudade, o que restou?
Ciúmes... que logo consegue antever
Que ao final só restará o desamor

Mas quando o amor é grande de fato
Ele consegue todos os obstáculos superar
Não se deixa envolver, nem crê em boatos
Nada que se tente o conseguirá acabar

Um amor forte e verdadeiro enfrenta tudo
E em qualquer dificuldade consegue vencer
Suporta saudades e jamais ficará mudo
Diante do que não deixará seu amor crescer

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Parcas Alegrias


Deixe que a minha alma fale
E contudo eu ainda me cale
E você possa um dia ler

Deixe que a minha alma chore
Que o meu coração implore
Pra você nunca me esquecer

Deixe que as minhas fantasias
Dê espaço as minhas parcas alegrias
Fazendo você as perceber

Deixa meu pensamento louco de saudade
Apagar da minha mente essa idade
Que insiste em aparecer

Deixa meu coração em disparada
Buscá-lo no silêncio das madrugadas
Querendo apenas se aquecer

Não ligue se tenho fértil a imaginação
Que vive alimentando a grande ilusão
De um dia ter de volta você

Esquece tudo que não consigo lembrar
Apenas lembres tudo que vivo a pensar
Pois essa tem sido a minha razão de viver

Pois esquecer nosso mais íntimo segredo
Seria como matar esse grande desejo
Que insiste de em mim permanecer

Diante De Mim


São milhares de vezes que tenho escutado
Uma voz saudosa sempre me chamando
E centenas de vezes vi um vulto parado
Dando a impressão de estar me esperando

Mas era com tristeza que eu sempre descobria
Que tudo não passava de pura imaginação
E mais uma vez, como sempre para minha agonia
A saudade crescia cada vez mais em meu coração

Um dia eu parei com o coração muito agitado
É que diante de mim eu vi você surgir
Mas eu logo percebi outra vez ter imaginado
Era fantasia da minha mente que vive a insistir

E emudeço envolvida pelos meus pensamentos
E como sempre sem mais nada conseguir entender
Me custa crer que todos os meus tormentos
A grande causa é essa grande obsessão de você

Será que algum dia eu verei isso terminar?
Receio porém que toda a minha vida será assim
Até quem sabe, quando um dia eu não mais acordar
Nesse dia então em tanto sofrimento porei um fim

domingo, 24 de outubro de 2010

Cruel Incerteza



Abortei um pensamento traiçoeiro
Para alívio dos esquecidos dias meus
Sempre tive o destino como mal companheiro
Pois ele foi cruel ao me separar dos dias teus

Quantas vezes apeguei-me a uma esperança vazia
De que a qualquer momento eu o veria voltar
E confesso, embora negasse, era o que eu queria
Para juntos podermos a nossa vida continuar

E até hoje, tanto tempo depois eu ainda penso
E mesmo continuando sem aceitar, devo admitir
Que embora mesmo sofrendo eu ainda entendo
Pior seria se o nosso amor deixasse de existir

É melhor viver assim, nessa cruel incerteza
De que o nosso amor jamais terminaria
Pois quem recebeu do seu amor tanta grandeza
Vê-lo acabar era algo que eu não suportaria

Um reencontro


Estou de volta ao meu mundo solitário
Onde me refugio sempre que algo me entristece
E vou desfiando minha vida como um rosário
Onde cada conta, indiferente a tudo permanece

E comparo o mar revolto à minha vida
Hoje porém, muito mais calma dá pra se ver
Mas eu tive do destino péssimas investidas
E foi assim que meu mundo criei sem perceber

E como uma ostra sempre fui me fechando
E quando dei por mim já era muito tarde
Os anos se passaram, a velhice foi chegando
E eu me revoltei contra o tempo, vil e covarde

Hoje a única coisa boa que me ainda resta fazer
É continuar em frente, mas sempre olhando pra trás
Pois eu sei que em qualquer dia desses, você
Numa esquina dessas da vida, surgirá mais audaz

E pensando nisso até imagino estar vendo
O que provavelmente irá então nos acontecer
Você de mim se aproximando e eu entendendo
Que minha mente conseguiu materializar você

Pois nós nunca deveremos de fato nos encontrar
É que isto seria com certeza fatal para mim
Esse reencontro seria o fim dessa vida de sonhar
O que certamente seria a morte de tudo para mim

A Cada Investida


Foi um gesto simples, bastante casual
Que durante minha viagem pude perceber
E mesmo sendo algo assim tão banal
Imediatamente eu me lembrei de você

E no tempo voltei, e logo muito de repente
Eu recoredei quando em nossos muitos momentos
Você, depois do amor me falava simplesmente
Que eu nunca seria na sua vida esquecimento

E ficavas me olhando com tanta paixão
Que eu me senti muitas vezes pequenina
Diante da força que saía do seu coração
Ao me tocar como se eu fosse uma menina

E durante toda a minha vida tem sido assim
Em tudo sempre estou ansiosa lhe buscando
E a cada investida sinto que só dentro de mim
É único lugar onde continuarei lhe encontrando

E eu sei que nunca será de outra maneira
Pois eu sempre continuarei a lhe buscar
E esta não será a primeira vez nem a derradeira
Pois o meu coração em sua busca irá continuar

Dentro De Mim



O que será que estás fazendo
Agora nesse momento
Tão distante de mim?

Como será que passas teus dias?
Provavelmente em constantes alegrias
Sem sequer lembrar de mim...

Ou talvez teu pensamento me procura
Aí sentes então na boca uma amargura
Despertando saudades de mim...

Ou ainda quando na madrugada
Despertando para o amor tens a alma calada
Relembrando quando tinhas a mim...

Só que isso não importa para a minha solidão
Pois o que guardo no profundo do meu coração
É algo que ainda fala alto dentro de mim...

E tanto os teus dias quanto os meus
Só mesmo para nós que essa história viveu
Entendemos... Meus dias sem ti e teus dias sem mim...

Quando a Morte Me Levar


Não sei por que não consigo aceitar
Que a vida é bem mais que ilusão
Seria até bem mais fácil encarar
Da vida, a grande falta de atenção

Desde cedo perdi-me em fantasias
E nunca consegui por um minuto esquecer
Que os momentos de perfeitas alegrias
Os vivi quando tinha na minha vida você

Mas o tempo passou e eu não percebi
Que no passado eu simplesmente havia ficado
Embora eu saiba que muitas emoções vivi
Mas o meu coração não conseguiu ser marcado

Talvez amanhã eu ainda consiga perceber
Que a vida é muito mais do que se quer
Até penso que não é por não ter mais você
Que não consigo fazê-la melhor do que é

E mesmo achando quase impossível tentarei
Dessas amarras um dia ainda me livrar
Eu até acho que provavelmente não conseguirei
Pois isso só acontecerá quando a morte me levar

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Hesitei


Se meu mundo eu pudesse transformar
E novamente eu viesse a nascer
O único verbo que eu não iria conjugar
Seria o de amar para sempre você

Eu só queria para mim muitas alegrias
Mesmo que eu fosse viver sozinha
Com certeza sofrimentos eu desconheceria
Mas eu viveria uma vida somente minha

As noites eu teria para me embalar
E as madrugadas para velar o meu sono
Nada iria a minha vida perturbar
Pois eu acredito que não haveria como

Mas eu sei que isto jamais irá acontecer
E embora pareça impossível tudo mudar
Garanto que o único impecilho seria você
E esse grande amor que só falta me matar

Pois eu sei que eu poderia nascer mil vezes
Que receio que nada seria então diferente
Para isso acontecer é preciso que se deseje
Mas seria o mesmo que morrer lentamente

Estás impregnado em todo o meu ser
E penso que será sempre assim infelizmente
Nada há que me faça desistir de você
Mesmo que para você seja tudo indiferente

E sempre lamentarei por tudo isso bem sei
Pois é algo que nunca haverás de compreender
Pois cada momento que na vida hesitei
Foi tentando evitar o que um dia vi acontecer

Infelizmente


Estou sofrendo como sempre
Mas não consigo mais aceitar
É porque ninguém me entende
E prefiro mais nada falar

São tantas atitudes estranhas
Que cometem sem nenhum pudor
Mas parecem presos em artimanhas
E bem mais nas garras do desamor

Eu queria olhar a minha volta e ver
Um mundo bem diferente desse aqui
Onde ninguém pudesse perceber
As dificuldades que sinto em existir

Quisera que numa hora dessas qualquer
Eu me sentisse como uma inocente criança
Esquecendo os meus problemas de mulher
Tendo em vista apenas o raiar da esperança

Mas infelizmente as coisas não são assim
E é quase sempre que nos chocamos ao presenciar
A falta de compreensão e o desamor pondo um fim
Em tudo aquilo que nós conseguimos conquistar

Imaginem


O que mais fazemos na vida
Sem dúvida nenhuma é murmurar
As vezes por razões descabidas
Mas sempre estamos a reclamar

Nunca paramos pra prestar atenção
Para o que acontece ao nosso redor
Temos sempre fechado o coração
Sem pensar que poderia ser pior

E se parássemos para tentar observar
Algo que realmente nos fizesse entender
Que um alguém pode estar de nós a precisar
Basta que liberemos o coração para ele ver

Mas o egoísmo sempre fala mais alto
E não adianta desculpas querer arranjar
O que temos na verdade é um coração ingrato
Achando que somente nós podemos precisar

Imaginem se Deus fosse assim como nós
Dificilmente conseguiríamos vitória
Mas Ele é um Ser que não nos deixa sós
Não importando o enredo da nossa história

Bendito seja todo aquele que connsegue
Alcançar de Deus a sua misericórdia
Pois se há algo que o mal nunca se atreve
É desafiar o grande clarão da glória

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Com Dignidade


Essas lágrimas que insistem em cair
Tem me deixado muito angustiada
Não encontro motivo nenhum pra sorrir
Mesmo que em nada eu seja culpada

Nem sei porque tem de acontecer comigo
Nunca consigo estar realmente em paz
E mesmo em meio as dificuldades prossigo
Só não devo me sentir assim... Incapaz

Estranhamente tudo surge nesse momento
Quando as preocupações mas têm se avolumado
E não sei como lutar contra os acontecimentos
O bom mesmo seria se tudo já tivesse acabado

Não entendo porque as pessoas agem dessa forma
as vezes parecem sentir prazer em perturbar
Os princípios éticos deveriam ser normas
Onde todos pudessem uns aos outros respeitar

Talvez não houvesse tantos constrangimentos
Quando cada um cumprisse com sua obrigação
Nos poupando assim de fartos aborrecimentos
Encontrando uma forma digna de chamar a atenção
 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios