sábado, 20 de setembro de 2008

Morbidez



Ela vai penetrando de mansinho na minha alma,
Trazida pela morbidez da minha mente,e
Afiada como uma navalha,
Faz sangrar o mais íntimo do meu ser.
É uma saudade boa,
Machuca ferindo
E faz-me queimar de dor e prazer.
Lubricamente me toca todos os sentidos,
Ela me chega úmida,
Sinto o toque morno da sua língua
Em meus dedos,
Saboreando
A palma da minha mão, e descendo suave
Pelo meu braço
Em busca do meu todo.
A carícia
Faz meu corpo tremer de volúpia,
E doer de desejos...
Saudade ingrata,
Desperta minhas lembranças
E te traz para a minha dor,
Consumindo o fogo intacto da paixão,
Libertando meu desejo,
Fazendo-me enlouquecer
Ao queimar-me na ânsia
Dessa inesgotável fonte de prazer.

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios