quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Ciúme



Que tristeza sinto quando vejo
Teu olhar perdido em outra direção
Não é por mim que acorda o teu desejo
Não é por mim que bate o teu coração

Um ciúme aflito e quase louco
Vai tomando conta de mim
Seu carinho para mim tem sido pouco
Por que as coisas têm que ser assim?

Teu olhar... ah! esse teu olhar
Que perturba os meus sentidos
Por vezes parece querer contar
Dos teus momentos perdidos

Teu corpo, essa sombra que passa
Para a minha sombra despertar
As vezes é o teu riso cheio de graça
Que de amor faz o meu peito transbordar

Há momentos em que eu te pego pensando
E logo eu também me ponho a pensar
Por quem teu pensamento está divaganddo
Por quem será que estás a meditar...

E logo vou ficando muito triste
E a melancolia aumenta cada vez mais
Com certeza um alguém existe
E assim vou perdendo a minha paz


E como fazer neste momento
Para chamar a tua atenção
Pois é grande o meu tormento
Machuca demais o meu coração

E então surge num repente
Um gesto sublime de carinho
E sinto estar na tua vida presente
Sinto estar ainda no teu caminho

Porém mais uma vez o teu olhar
Parece buscar algo em derredor
Minha alma calada se põe a chorar
É o ciúme voltando, meu mal maior

Mas que grande tolice
Não há porque sofrer assim
Entre nós nada real existe
Nada que possa ter um fim

Calada e sempre sozinha
Prossigo com todo cuidado
Numa esperança muito minha
De ter-te sempre ao meu lado.

Um comentário:

Ahsley disse...

Essa daí relata bem um momento triste... ocasionado pelo ciúme...