terça-feira, 30 de setembro de 2014

SAUDADE QUE MAIS MALTRATA


Ai quantas saudades eu agora tenho
E é de um tempo que não volta mais
Por hora, esse passado buscar eu venho
Embora sabendo que não o terei jamais

Era um tempo tão tranquilo e saudável
E sei que dele eu nunca vou me esquecer
Eu vivia pintando o sete, mas eu era tão amável
Que desenhar o oito e decalcar o nove era só querer

Boa época que o tempo leva e não não mais traz
E quanto mais eu penso. mas a saudade aumenta
Hoje é diferente a saudade que me chega dói mais
Ela tem gosto do quero tudo que o coração inventa

Saudade... Não importa o tempo nem tão pouco a idade
Ela chega sorrateira e machuca quando bem quer
Tem saudade que lhe deixa feliz, as vezes por vaidade
Mas a saudade que mais maltrata, é essa saudade de mulher

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios