domingo, 26 de dezembro de 2010

Livremente


Quantas vezes eu já senti
O suave perfume da saudade
Por tudo quanto com você vivi
Busco-o em minhas verdades

E quase que sem nenhuma razão
Sinto o corpo fremindo de desejos
E nesse momento percebo a emoção
Sufocando todos os meus medos

E uma lágrima cai pelo meu rosto
E a sinto livremente escorrer
E sinto ressuscitar o que julguei morto
esse meu enlouquecido desejo por você

E indiferente ao tempo, vejo amanhecer
E mais uma noite estive a lhe esperar
e tenho por certo que assim será,até você
Um dia surgir à minha frente e me falar

Mas acredito que serás tomado pela emoção
E nada do que pensasses irás me dizer
E eu como que encantada, sentirei no coração
A grande chance de amar outra vez você

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios