sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Incontáveis Cicatrizes


Parece que o meu saudosismo terminou
Já não consigo pensar como antes no passado
Olho para trás e sinto que mais nada restou
É mais que isso... Acho que nada ficou inacabado

Não sei o que pensar diante desse novo fato
Pois eu sempre tirei vida do que parecia morto
E hoje é como se eu estivesse livre desse pecado
Penso que pratiquei com essa história, um aborto

Eu sei que restarão as incontáveis cicatrizes
Pois foram muitos anos de lutas, decepções e dor
E sabendo que não teria, nunca busquei dias felizes
Pois eu só vivia para essa triste história de amor

Mas agora, nesse exato e também certo momento
Nem sei explicar o que eu hoje estou a viver
Talvez a minha libertação de um grande tormento
Ou então o final dessa minha obsessão por você

Seja lá o que for que está me acontecendo
Sinto-me entre anestesiada e indiferente
Por certo não mais terei que ficar revivendo
Os meus fantasmas para sentir-me gente

Pois, por mais que eu tente pensar no passado
Sinto-me ir de encontro a uma impenetrável barreira
E percebo não ter mais o meu coração magoado
Sem dúvida a solidão já não é mais minha companheira

Para mim eu hoje vejo,uma história que se inicia
Talvez eu tenha do presente toda a esperança
De saber que terei muita alegria como companhia
E poderei sentir da vida o prazer como uma criança

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios