segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

É O Fim


À Nilza

Seria realmente até muito bom
Se o que hoje vejo fosse verdade
Minha existência teria novo tom
E tudo entre nós seria felicidades

Os desgostos não mais existiria
Teríamos então um novo recomeço
A nossa vida seria apenas alegria
Nunca mais haveria qualquer tropeço

Mas o destino outra vez foi mal
Não permitindo que o bem vencesse
A verdade é que quem vive no lamaçal
Não ía permitir que algo bom crescesse

E fui novamente por você enganada
Outra vez sua astúcia caiu por terra
Me dando a certeza que nunca fui amada
Fui no máximo troféu de suas guerras

Mas agora de tudo isso eu hoje me cansei
E estou querendo de alguma forma esquecer
Todos os momentos que verdadeiros julguei
E que eram bons demais para voce os merecer

Embora eu não quizesse acreditar que novamente
Tudo que eu mais queria estava longe de acontecer
Mas eu sei que na verdade tudo serviu simplesmente
Para que eu nunca mais pense em confiar em você

Você foi cruel e também miseravelmente louco
Portanto de mim nada porém espere mais
E eu não creio que tudo que aconteceu seja pouco
Por tudo que você ousou demonstrar ser capaz

Parta e nunca penses na possibilidade de voltar
Pois eu tenho certeza já ter sofrido o bastante
Se pensas em fazer algo lhe digo que nada vai mudar
Pois viver novamente com você será muito ultrajante

E reafirmo nesse momento que nada mais espere de mim
É que em mim nada mais restará que não seja piedade
Entre nós realmente tudo terminou, este é o nosso fim
Já não consigo mais suportar as suas cruéis maldades

E quando um dia o enfadondo tempo lhe assaltar
E sei que vais perceber a sua solitária desgraça
E quem sabe talvez você consiga um pouco lembrar
Que tudo na vida, seja bom ou ruim também passa

Passarão todos os seus sonhos e até as dores
As decepções e também as suas doces ilusões
Lembre-se também que o tempo desbota as cores
Como também assim se apaga as grandes emoções

E nesse dia irás com muita certeza
Relembrar todo o mal que você me fez
Quando pagasses com injúrias minha pureza
E eu nada percebia nessa minha insensatez

Pois louca de amor por você eu ainda estava
Nessa paixão que por tantos anos eu senti
E você sem piedade cruelmente me enganava
Esquecido de cada hora que por ti eu vivi

Mas hoje depois de tantos e amargos anos
Minha alma só implora por liberdade
Ainda conservo os meus inquietos arcanos
Aspirando momentos de intensa felicidade

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios