sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

A VIDA


Por que tanta dor a extravasar assim em meu peito
Tenho medo de tudo, até receio não mais aguentar
Eu sei que nunca, nada nem ninguém foi perfeito
E eu nunca esperei mas do que era pra eu esperar

Mas a vida sempre me foi tão cruel e caprichosa
Que eu não devia me surpreender com o que ela me faz
Pois as vezes ela haja de uma forma tão maldosa
Sempre buscando me tirar o que possa me restar de paz

E eu nunca deveria me sentir contra ela inquieta
Pois sei dos males que ela ainda pode me fazer
Eu as vezes agradeço se algo pra mim ela empresta
Embora tire de mim rápido, aquilo que me dá prazer

Mas fazer o quê se sempre fomos inimigas ou rivais
Pois desde os tempos que eu brilhava com desenvoltura
Ela se aborreceu pois eu não achava que fossemos iguais
Um dia ela de mim se vingou me deixando todas as amarguras

Mas a vida é mesmo assim... Para uns ela é benfazeja
Para outros, como eu, ela dispensa todas as agruras
Por um dia ter decidido se igualar a ela nas pelejas
Cruelmente vem se vingando de mim sem nenhuma brandura

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios