domingo, 19 de fevereiro de 2012

AMARGURAS SENTIDAS


Estou perdida... Como tantos já se perderam
Em busca dos sonhos desfeitos... Em busca do seu eu
E poucos são os que realmente sobreviveram
Tirando um pouco de vida de algo que um dia já viveu

Sinto-me muitas vezes como uma louca sem abrigo
Me desespero pois sei que isto eu nunca desejei
Ai de mim se não fosse aqueles a quem chamo de amigos
De onde eu sugo um bem maior do que todos que já dei

São meus amigos virtuais tão queridos e preciosos
Pois de outra forma só tenho de verdade mesmo um
Mas são afetos sinceros... Me são muito valiosos
Me fazem tão bem... Imagine se eu não tivesse nenhum

Hoje eu estou muito perdida, bem mais do que já sou
Talvez pelas lembranças que insistem em me perseguir
São memórias de tudo que já vivi... Que um dia passou
Só restando esse desejo louco de não querer só existir

Mas o que é que eu faço agora, nesse momento
Se minha vida sempre foi assim, perdida em sonhos
E cada um deles pereceram nos redemoinhos do cruel vento
Que nunca respeitou, nem mesmo o que inspira o que componho

Estou perdida... Como sempre estive e vou estar
Já fui bem mais confusa, iludida talvez, pelo cruel tempo
Esse inimigo tão mau... Que sempre transformou meu sonhar
Em amarguras sentidas...Para aumentar meus tormentos

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios