domingo, 30 de novembro de 2008

Triste Lamento


Na repousante sombra de um cajueiro
Quando a tarde lentamente vai morrendo
Ouço ao longe o aboio de alguns vaqueiros
Que aos poucos todo o gado vai recolhendo

E vou me despedindo dos verdes pastos
Com meu coração palpitando em surdina
E pensativo fico olhando para os lados
Ao som embriagador e triste das campinas

E contemplo na penumbra a noite fria
Banhando com o luar toda essa paisagem
E sempre com grande e triste melancolia
Começo a ver tudo como uma pacata miragem

E medito da vida cada um dos meus passos
E sempre nas efemeridades dos meus sonhos
Trago no coração cada nó dos grandes laços
Que deixaram meus pensamentos tristonhos

E tudo faz parecer que é um triste lamento
Até sinto nostalgia no mugir dessa boiada
Que chega até mim sendo trazido pelo vento
Que aos poucos vai transformando num nada

E nessas noites por vezes tristes e calmas
A saudade sempre me chega bem de mansinho
Sinto a melancolia sufocando a minha alma
Nesses crepúsculos que me sinto tão sozinho

2 comentários:

anny karla disse...

Poxa... como consegue colocar a tristeza em palavras tão bonitas? Tornando tudo tão frágil e lindo...bj mamis

Euzelinda disse...

Minha linda, que Deus continue te inspirando com palavras tão belas. beijos

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios