segunda-feira, 18 de outubro de 2010

A Verdade De Uma Solidão



Uma Homenagem A Um Certo Pintor

Eu vi um quadro que me chamou a atenção
Sem dúvida o pintor nos detalhes escondia
Um momento talvez de maior reflexão
Ou quem sabe um instante de melancolia

Sobre a mesa,num canto de uma sala qualquer
Um violino recostado na parede, esquecido
Ao lado um jarro florido,lembrando uma mulher
Que por certo um dia perturbou-lhe os sentidos

A solidão que retrata este quadro
É bem mais que um violino esquecido
Nessa paisagem eu vejo o que escondo
Algo que na alma eu tenho parecido

Em cada cor das flores vejo uma esperança
Que dá alento aos queixumes escondidos
Daqueles que nunca se tem quando criança
Pois só aos adultos perturba o proibido

E essas cores deixam o ambiente taciturno
Talvez desejando camuflar o que eu penso ver
Mas na realidade esse por certo é um mundo
Que só pertence acredito, unicamente a você

E me parece ter sido feito num momento de solidão
Desses que a alma em vão tenta do pintor esconder
Mas seja lá o que for que tenha dito seu coração
Isto é um algo que nunca teremos então como saber

Mas a beleza escondida entre todas essas cores
Revela ao bom observador algo bem mais profundo
Talvez sejam as saudades de momentos interiores
Ou de algo que inquieta esse seu esquecido mundo

Mas eu sei que nem sempre se consegue entender
A verdade que um pintor conseguiu retratar
Talvez seja tudo aquilo que um dia você
Num mundo solitário conseguiu resguardar

Um comentário:

Anônimo disse...

Não sei o que mais me espanta, se a sensibilidade de quem pintou ou a de quem tão bem soube descrever o que como eu penso ver...
Parabéns a ambos

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios