quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Nem Mesmo O Tempo


Fui apanhada pela teia dos sonhos
E sem resistência a você me entreguei
Mas um dia descobri não querer lutar
E por não valer a pena nada questionei.
Perdi por não saber compreender
Que tudo que eu mais queria era você
E na minha ingenuidade não senti que ia perder
O que na minha vida eu mais desejei

Foram tantas horas a tua espera,
Mas eu sempre me contive sem demonstrar
Que os dias se arrastavam, e eram lentos
Até que eu visse você chegar...
Mas eu nunca soube me fazer entender,
E mostrar que o que eu mais queria era você
Mas aos poucos eu pude então perceber
Que o seu amor já começava a murchar

E mais uma vez eu nada soube dizer
Nada eu fazia para poder lhe mostrar
Que aquela situação era difícil para mim.
E continuei sem nada conseguir falar
E hoje como ontem ainda agonizo
No meio dessa dor que eu tanto martirizo,
Mas se nem de pensar eu desisto
É por saber ser em vão dela querer me livrar

E pela vida à fora sempre lembrarei
De cada momento vivido por nós
E por certo também carregas teu martírio
Pois mesmo que não estejamos sós
Esquecer-me eu sei que jamais conseguirás
E em muitos momentos também lamentarás
Que tudo que deixamos para trás
Nem mesmo o tempo destrói

Um comentário:

aeinyfellipe disse...

Parabéns Senhora Gil Ordonio, por mais essa conquista em sua vida, estive lendo suas poesias e vi que realmente a senhora tem a magia com as palavras, muitos sucessos nessa nova etapa de sua vida, e que Deus te abençoe.
Atenciosamente,

Aeiny Fellipe Moura Cavalcanti

obs: Sou amigo de sua filha, falei com a senhora por telefone, estar lembrada.