terça-feira, 31 de agosto de 2010

Um Grande Amor


Não será num simples e tolo acordo
Que da tua mente conseguirás me tirar
Te olhas num espelho e verás em teu rosto
Como é tolice querer assim se enganar

Eu sempre estarei em teu pensamento
E não será como uma lembrança qualquer
O teu corpo, ele nunca me desmente
Pois ainda muito me queres como mulher

Mesmo que negues sempre estarei em tua vida
Isto bem sabes que não o poderás esconder
E por mais que tenhas a tua alma ferida
Nunca... Jamais conseguirás me esquecer

E durante todos os anos que se arrastaram
Sentiste a minha ausência do teu corpo
E foi na saudade que tuas dores passaram
Pois foi ela a esperança no teu desgosto

E abrigaste as lembranças em teu coração
E um forte desejo sei que ainda perdura
E deixando prevalecer em tua vida a razão
Mas sabes que isto é algo que nem sempre dura

E eu sei que haverás de ver-me algum dia
E mais ou menos ainda pensarás assim
Essa mulher foi o ápice da minha alegria
Mas também foi a agonia que um dia teve fim

E haverás de chorar como tantas vezes o fizeste
Chorarás pela saudade que um dia quase o destruiu
E pensarás que não foi bem isto o que quiseste
Mas esse será mais um sofrimento que ninguém viu

Mas será amanhã quando eu não mais existir
E as lembranças continuarem a torturar o teu ser
Perceberás então que foi preciso eu partir
Para assumires que nunca deixaste de me querer

Mas de uma coisa quero que tenhas certeza
É que nunca em tua vida houve um amor assim
Mas te perdeste no tempo deixando essa riqueza
A de um grande amor como o nosso ter tido um fim

Redescobrindo A Vida


Certa vez descobri o que era viver
E lancei-me nesse escuro sem temor
Eu vivia contando as horas pra te ver
E em teus braços desfalecer de amor

Mas o tempo cruel me ensinou
Que entre nós um abismo havia
E na distância perdi o seu amor
E também o motivo da minha alegria

E com o tempo, já um pouco tarde
Após incansáveis e tristes buscas
Descobri que para eu ter felicidade
Da vida eu iria precisar de ajuda

E assim aos poucos eu pude perceber
Que finalmente eu redescobriria a vida
Através de todas as lembranças de você
Mesmo que para isso eu fosse mais ferida

Pois só assim recordando é que eu então poderia
Ao lembrar seu cheiro, voltar finalmente a viver
Pois apenas no nosso passado é que eu encontraria
Forças para continuar a sonhar e amar só a você

À Tio Edvaldo


"Com pedras na mão..."
Cantei para ele assim
Esse era um constante refrão
Que meu tio cantava enfim

Essa foi uma época muito boa
Eu era apenas uma adolescente
As vezes lembrar também magoa
E isso em muitos casos é frequente

Hoje, vendo-o nessa cama de hospital
Ao redor,tia Rita,Loloy,Tico e Severina
Observar esse quadro até me faz mal
É bem diferente de quando eu era menina

Aquele horário de visitas logo se passou
E todos voltaram para as suas casas
Ele, em companhia do meu irmão Mauro ficou
E eu saí pensativa lembrando as nossas farras

Nunca imaginei vê-lo em tal situação
Me entristeci diante daquele quadro
Faz-e-lo rir até que consegui na ocasião
Mas esta era uma triste realidade de fato

Voltar no tempo muitas vezes nos faz bem
E o retorno a realidade nos deixa triste
Mas nós teremos que entender também
Que o ciclo da vida também existe...

domingo, 29 de agosto de 2010

Fingida Alegria


Hoje me sinto miseravelmente infeliz
Nada que surja parece por nisso um final
Não há como fugir, o destino assim me diz
E para o mundo minha dor parece ser banal

Até a própria natureza parece me ignorar
O meu destino não faz questão de entender
Que eu tudo daria para poder então lhe amar
E o impossível eu faria para ainda ter você

E muitos gemidos calados que me atormentam
Se misturam aos sussurros roucos que me vêm
Tudo isso meus desejos inflamados acalentam
Sempre despertando os meus sentidos também

E em vão procuro na minha fingida alegria
Uma forma sutil de tentar outra vez esconder
O motivo maior dessa minha tão grande agonia
Muitos já desconfiam que é tão somente você

E choro desesperada ante essa minha dor
E as lágrimas lavam meu rosto zombando de mim
Não compreendem que também se morre de amor
Como morre lentamente a minha alma por fim

E esse meu sofrimento cada vez mais intenso
Que as vezes duvido que possa assim existir
Mas eu logo percebo como tem sido imenso
Esse meu desejo de a tanto sofrimento resistir

Então eu lembro que já passei por duras provas
Mas que nada se compara ao que na alma trago
Mas eu continuo sonhando e amando em trovas
Alimentando assim o que no peito ainda calo

Um Novo Amanhã



Quanta tristeza estampada em meu rosto
No meu sorriso nada se vê além de amargura
E nada acontece que tire de mim esse desgosto
Que tenho aceitado até com uma certa brandura

Minha alma chora um pranto silencioso
Entendendo que o mundo deve tal dor ignorar
Meus sentimentos tem um que de misterioso
Que em muitas vezes parece querer me sufocar

E essa dor de sentimentos tão miseráveis
Toldoa minha mente asfixiando todo meu ser
E todos os momentos que me foram desejáveis
Se perderam na ausência dolorosa de você

Acredito que a minha única e grande esperança
É a certeza que um novo e calmo amanhã virá
E talvez ele me traga um pouco de confiança
E novamente a certeza de ainda poder lhe amar

As Vezes Parece Criança


Durante o meu curso de comunicação
Poucas amizades eu tenho feito
Dentre elas destaco a Alexia
Que com a vida sempre dá um jeito
Para ela dificuldades parece não existir
Por uma boa causa ela briga,já deu pra sentir
Não é egoísta, quando é preciso sabe dividir
E sempre seus projetos, nos parecem perfeitos

Adora conversar e faz isso muito bem
E se deixamos, ela fala sem parar
Mas tem uma alma bondosa
Isto não se pode negar
As vezes parece uma criança
Traz no olhar muitas esperanças
No sorriso a alto confiança
Essa mulher não há como não admirar

Com seu jeito tem facilidades para conquistar
É sempre precisa em suas ações
Mulher destemida mas também muito esquentada
Mas sabe muito bem provocar emoções
Poucas vezes a vi aborrecida
Ela tem um forte prazer pela vida
Também tem atitudes atrevidas
Mas conquista fielmente corações

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Leve Esperança


Como te contentas com tão pouco
O que gostas mesmo é de se enganar
Tu podes ter dele apenas o corpo
Pois a alma não a podes conquistar

E são muitas as vezes que ao te tocar
É sempre em mim que ele está pensando
Sei que as vezes é até difícil te amar
Mas ele então finge que está me amando

E se porventura o pegas a te observar
Tira depressa dos lábios o sorriso
É ele em seu saudoso silêncio a meditar
Pois a minha lembrança é um doce castigo

Nunca procures o tempo querer mudar
Pois no tempo está o tudo, desde o começo
Não adianta querer também se desesperar
Sei que abalo a sua estrutura, reconheço

Com a minha lembrança faço presença
E sempre estarei onde ele então estiver
Se apegue apenas a uma leve esperança
Dele um dia me esquecer como mulher

Nostalgia


Por mais que eu tente não consigo entender
Qual a causa de tão profundade nostalgia
Talvez seja por eu não saber mais de você
Então me perco nessa ausência de alegria

E deixo os meus pensamentos mais inquietos
E uma descabida e triste ansiedade me invade
E aos poucos me dou conta como são repletos
De esperanças perdidas essa minha ansiedade

Fechando os olhos me vejo então transportada
Para dias longínquos e mais ainda me entristeço
E vejo nossas vidas como reminiscência despedaçada
Fragmentadas desde o primeiro momento desse começo

Lágrimas que segurei transbordam da minha alma
E sussurros de dor se entrecortam em meio aos soluços
Desesperada tento roubar do tempo um pouco de calma
E para esconder de todos o meu sofrer,choro de bruços

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Só Para Você


Eu queria me fazer entender
Deixar transparecer o que sinto
Eu queria de verdade era você
E juro por Deus que eu não minto

Queria acordar com você ao meu lado
Saber da nossa espera ao anoitecer
E poder te dar todo o amor que guardo
Um amor reservado somente para você

Meus dias são imensamente saudosos
E as minhas noites de loucuras mil
E seria nesses meus olhares tão amorosos
Que verias minha adoração ao teu corpo viril

E a cada novo amanhecer em teus braços
E como sua mulher mais feliz eu ia me sentir
E nessa troca de carícias e de muitos afagos
Mais amor eu tinha pra dar e sem nada pra pedir

E nos sentiríamos completamente realizados
Porque entre nós dois sempre foi assim
E por cada momento desse por nós tão esperado
Nosso leito explodiria em prazeres sem fim

Me Entreguei


Cansei de aceitar tudo da vida
E nada fazer nem tão pouco exigir
E por várias vezes fui muito ferida
Foi aí que revoltada me fiz sentir

Nunca procurei ignorar os fatos
Que amarguras traziam para mim
Sofri da vida muitos maus-tratos
Mas nunca busquei um culpado enfim

Me entreguei e as vezes com receios
Mas eu temia ver tudo isso acabar
Também foram momentos de enleios
E que por fim só fez nos afastar

E quando na solidão as lembranças chegam
Choro ante a dor que vejo ressuscitar
E essas brisas provocantes que me beijam
Me recordam como fazias para então me amar

Louco Amor


Hoje eu estou muito mais pensativa
Do que estive ontem, pode crer
E sinto que nada mais me intimida
Se eu tiver alguma chance com você

Foram tantas horas de amor intenso
Tantos momentos de eternas juras
E por esse nosso amor tão imenso
Mergulhei feliz nas projeções futuras

Mas a minha alegria não muito durou
Tive horas amargas e tristezas sem fim
Te foste levando consigo teu louco amor
Deixando a desilusão e a saudade em mim

Nunca compreenderás porque tudo escondi...
Mas não precisava o mundo saber a tua razão
Pois se nem mesmo eu nunca nada compreendi
Como explicaria o que de ia em teu coração

O certo é que nós sabemos o que houve de fato
Muito embora tenha sido difícil pra mim entender
Acontece que não era mais novidade meus abraços
E cruelmente eu já não era mais teu único bem querer

Múltiplas Recordações


As vezes sinto que nem sempre o que faço
Consegue dar alguma alegria para mim
Mas quando me lembro de uns certos abraços
Essas lembranças trazem grandes alegrias ,sim

E se me perco em vivas e múltiplas recordações
Principalmente quando estas ainda me fazem vibrar
Sinto em êxtase total todas as minhas emoções
E vou transmitindo cada sensação através do olhar

E um arrepio crescente e quase que enlouquecedor
Vai aquecendo a minha alma já desvairada de paixão
E a cada novo momento lembrado desse intenso amor
Vou sentindo o palpitar do desejo em meu coração

E sinto uma vez mais, a lascívia dos teus toques
Me possuindo por inteiro e sem nenhum pudor
Mas eu lembro que a tua sedução foi muito torpe
Pois te foste de mim enquanto murmuravas juras de amor

E agora, desgraçadamente para meu grande consolo
Lembrar-te é tudo o que nessa vida ainda me resta
E não me importa se tenho meu maior sonho quase morto
Pois eu ainda vejo o refletir da esperança pela fresta

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Apenas Adormeceu


Para que tanto masoquismo
Pare de sofrer e em ti te refugia
Pois o que os olhos não lêem
O coração não sente
Deixa o meu saudosismo
E acaba com essa tua agonia
Deixa pura a tua mente

Que te importa o que um dia vivi
O que busco sempre relembrar
Essa é a minha forma de vida
Esse é o meu jeito de sonhar
Os anos se foram mas nada esqueci
Aquieta teu espírito e volta à tua lida

Não se pode negar o que aconteceu
Mas nada em nada vai mudar
Te contenta com o que tens
O que foi... Apenas adormeceu
Mas não o queiras despertar
Já que as lembranças sempre vêm

Em tua vida sempre perdurou a calma
E não era apenas o desejo de se enganar
Então não atormentes tanto a tua alma
Não deixe nada te perturbar
Será inútil lutar contra o que não podes
Esse meu resumido mundo
Não o podes destruir
Infelizmente ele é oriundo
Do que nunca deixou de existir

Calado Grito


Não sei onde se escondeu minha alegria
Esta perdeu-se na calada da noite triste
E eu me contorço diante de tanta agonia
Apenas eu lembro do que não mais existe

Calo-me diante da imensidão dessa dor
Pois sofrer calada é o tudo que me restou
Foi muito bom amar esse teu grande amor
Maior porém foi a dor que em mim ficou

E perdida nos braços da fria madrugada
Procuro em vão esquecer o que passou
Mas eu sei que não será sofrendo calada
Que porei um fim a essa tão grandiosa dor

Dor por tudo aquilo que um dia eu perdi
Se não foi pelo amor dado, foi pelo recebido
E eu bem sei, que o nosso tudo que eu vivi
É o que ouço agora nesse meu calado grito

Até hoje recordo ansiosa cada momento
Lembranças que me impediram de ser feliz
Sei que nunca me livrarei desse tormento
Como sei que nenhum de nós a isso tudo quis

Alma Inquieta


Mais uma vez, a chuva que cai
Lembra-me momentos ardorosos
Então ouço minha alma exalar um ai
Ao recordar cada toque langoroso

Amar você deixou-me de alma inquieta
Lhe perder foi o início da minha ruína
E essa vida tão vil e bem mais perversa
Deixou-me à agonizar na minha triste sina

Amá-lo e deixar-me amar tanto assim
Me pareceu ser o tudo da minha vida
Nunca pensei de entre nós haver um fim
Iludi-me entre sensações tão atrevidas

E debalde busco aliviar tanto sofrer
Dessa angústia que a minha alma fere
É preciso encontrar outra vez você
E deixar acontecer o que o corpo prefere

Pois esse amor que um dia foi tão forte
Persiste mesmo em sonhos e nas emoções
Que o tempo seja apenas um suporte
Aumentando o que guarda nossos corações

domingo, 22 de agosto de 2010

Sonhos Envelhecidos


Quantas vezes eu me vi pensando
No rumo que tomaram nossas vidas
E o pior, eu nunca ia acreditando
O quanto minha vida estava perdida

Foram tantos momentos desagradáveis
Que eu nunca pensei ter que viver
Eram situações quase que inacreditáveis
E a unica coisa que me fazia era sofrer

Acalentei meus sonhos sempre esperando
De um dia finalmente vê-los se realizar
Mas para aumentar os meus desencantos
Era apenas o tempo que eu via passar

Então fui me acostumando aos desgostos
Muito pouco da vida eu tinha em alegrias
Meus sonhos envelheceram, ficaram rotos
E eu mergulhei numa profunda melancolia

Hoje dos muitos sonhos restam as cinzas
Da esperança nem mesmo um leve traço
As tentativas de salvar-me foram infindas
Tudo se perdeu na ausência dos teus braços

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Evidências


As vezes me parece tão absurdo
Não lutar contra a vida sem receios
Não escancarar de vez para o mundo
Mesmo que use para isso qualquer meio

E são nesses momentos que tudo me parece
Difícil de prosseguir, difícil de ganhar
Mas apesar de tudo, sempre algo me apetece
Pois eu espero valer a pena na luta continuar

E os dias que se seguem sempre inquietos
Minhas forças vão minando sem titubear
E para tamanha desventura é sempre certo
Que bem maior será a chance de vacilar

É que nunca, alguém sequer pensou na ousadia
De querer lutar contra tantas evidências
Pois sempre foi mais fácil fingir alegria
A esconder no passado o que não é reminiscência

E por certo ninguém haverá de querer
Dos sentimentos angustiantes participar
Mesmo que seja por um insólito prazer
Nunca o mundo tanta dor irá abrigar

Será Inútil


Abrindo a janela do tempo
Um longo suspiro deixei escapar
É que nesse momento senti um vento
Roçando suave me fazendo despertar

Despertando sem pudor meus sentidos
Me fazendo lembrar de alguns momentos
Onde para nós nunca houve nada proibido
Só importava mesmo eram nossos sentimentos

E foram tantas loucuras por nós vividas
Que sempre nos enchia de grande prazer
Eu me sentindo sempre muito querida
Muito desejada e bem mais amada por você

São essas lembranças que hoje me vêm
E sempre mostram que o tempo pouco fez
Pois eu bem sei que para você também
As muitas recordações têm a sua vez

Isso é algo que nunca se deve mexer
Querer esquecer será inútil, o sabemos
Pois o que houve um dia entre eu e você
Vez por outra com certeza lembraremos

Na Memória


Como serão os teus dias
E as tuas noites também?
Suponho que sejam de alegrias
Pois razões para isso sei que tens

E quando sentes o roçar da brisa
Que por certo lembranças trazem
Recordarás de algumas carícias
E absorverás o perfume dessa aragem

De relance em teu olhar passará
Alguns momentos de grande ousadia
Mas nada disso conseguirá ofuscar
O motivo real dessa tua alegria

Porém sabemos que qualquer que seja a razão
Que faça surgir alguma sombra em teu olhar
Será algum segredo que guarda teu coração
E que do mundo tão bem consegues ocultar

Mas independente do que um dia aconteceu
As recordações sempre farão parte dessa história
Pois são Lembranças que no tempo não morreu
Elas permanecem gravadas no coração e na memória

Amor Adormecido


Por que estou a chorar?
Não sei...
Talvez seja pelas algemas
Que me acorrentam com tanta força
Mas que só conseguem me machucar
Sem no entanto me aprisionar...

Por que choro?
Não sei...
Talvez sejam as minhas dores
Que de tão imensas
Despedaçam-se em milhares de partículas
E atingem livremente meu rosto
Ao saírem pelos meus olhos...

Por que choro, ou se choro
Não importa, eu realmente não sei...
Mas o tudo que eu sei
É que as minhas dores na verdade são mínimas
Diante da imensidão que esconde
O que povoa a minha mente
E o que grita calada
A minha alma tão doente de amor...

Lágrimas ou dor...
São pontos obscuros
Que tentam invadir o colorido
Desse mundo perdido
Diante de um amor adormecido...

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Nesse Sorriso


Vejo que o tempo pra você também passou
A prova são as marcas que em seu rosto foi deixada
E hoje de uma certa tristeza quase nada restou
Finalmente conseguisses a felicidade tão almejada

E no tempo fosses enterrando as muitas mágoas
Na esperança de não mais vê-las ressurgir
Por baixo da ponte foi rolando muitas águas
E muitos dos dissabores deixaram de existir

Nas agruras a vida lhe fez mais duro e forte
E destemido também em muitas situações
Mas o destino concedeu-lhe também sorte
O que amenizou um pouco as grandes decepções

E hoje você traz estampado num largo sorriso
Essa realização que no tempo foi acalentada
Essa alegria sincera apenas nos deixa dito
Que a felicidade finalmente foi conquistada

Que nunca o tempo abrevie o calor da sua alma
E que essa felicidade seja para você perene
Pois nesse sorriso se vê uma grande calma
Da qual nem todos alcançam nem compreendem

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Minha Inspiração



Hoje eu ainda continuo escrevendo
Sem que o destino tenha feito objeção
É porque por mais que passe o tempo
Continuas sendo minha fonte de inspiração

E mesmo que a tristeza me envolva sempre
E que em muitas vezes eu não consiga fingir
Mesmo assim sei que permanece na veia,latente
A grande razão dessa minha inspiração existir

E enquanto eu aqui na terra ainda viver
Jamais deixarei de fazer esses meus versos
E eu bem sei que será somente por você
Que falarei dos sentimentos que da vida empresto

E escreverei por essa vida à fora
As minhas tristezas que nem sempre irei ocultar
Mas eu sei que haverá de chegar uma hora
Que esses meus versos irão para sempre expirar

Será quando a minha fonte de inspiração se for
E se eu aqui ainda estiver vivendo apenas por viver
Perderei dessa grande inspiração toda a bela cor
É que eu não terei mais como me inspirar sem Você

Mas ainda existe a possibilidade do contrário acontecer
Se eu me for e você minha inspiração aqui ainda continuar
E eu sei que mais versos para você não terei como escrever
Mas sempre que a brisa lhe tocar serão versos que estarei a sussurrar

Na Aridez Da Minha Alma


Minha tristeza adormecida acordou de repente
E novas lágrimas mais uma vez senti escorrer
E foram muitas lágrimas tão amargas e quentes
Que fez surgir nova ruga que não saberei esconder

Então eu senti o frio do desgosto me tomando
E uma mistura de saudades e angustia surgiu
E um triste sentimento eu vi me queimando
E uma nova chaga eu pude sentir que se abriu

E novamente como que tonta de tanta dor
Vi meu próprio destino mais uma vez marcado
Revivi a perca do que outrora chamei de amor
Um amor que não consegui tê-lo arrancado

Dor, desespero, angústia ou apenas solidão
Só que solidão sempre a tive, isso não nego
Mas penso que era algo novo nesse velho coração
Um novo sentimento ou quem sabe um novo deserto

Mas foi assim que na aridez da minha alma
Um estranho e cruel sentimento eu senti brotar
Algo que sem dúvida conseguiu tirar minha calma
Me deixando bem mais infeliz e quase sem ar

Não sei como conseguirei definir tal sentimento
E não é simplesmente por eu não querer
Talvez seja algo escondido em meu pensamento
Mas seja lá o que for tem ligação com você

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Reencontro



Foram vinte e seis anos de ausência
E um certo vazio em suas vidas predominou
Houve momentos que viveram de aparências
Mas hoje porém, isto finalmente terminou

Tiveram suas almas invadidas pela emoção
E aquele certo vazio se fez sem sentido
A felicidade por fim jorrava de cada coração
Agora aquele amor não mais seria perdido

Sentimentos se atropelam nesse momento
Mas prevalece o mais forte e puro,o do amor
Só quem poderia entender esses sentimentos
Era aqueles que haviam partilhado dessa dor

Dor de uma separação sem nenhum cálculo
Mas o amor paternal lutou e se sobrepôs
E enfrentando e vencendo tantos obstáculos
Pôs um final no antes, ansiando só o depois

Eis que finalmente havia chegado o grande dia
A esperança e o amor vencera todas as dificuldades
E para que fosse realmente completa tamanha alegria
Tudo acontecera num momento de perfeita maturidade

São pensamentos e sentimentos que se encaixam
E aumenta a vontade agora de bem mais sonhar
São almas que agora livres cantam e se abraçam
Curtindo esse reencontro que o destino os fez esperar

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Eu Tudo Faria


Querendo por na minha tristeza um fim
Juntei da minha vida os bons momentos
Mas tudo o que eu tive diante de mim
Eram preciosidades dos meus pensamentos

E continuei buscando sem muito escolher
O que de fato para mim representasse alegria
E nessa busca tudo o que eu consegui foi você
Na verdade, o motivo maior da minha agonia

E sem querer dar ao fato bem mais importância
Insisti em procurar por algo mais forte
Mas percebi que nada tinha maior relevância
Nem mesmo o que um dia eu pude chamar de sorte

E revolvendo incansavelmente a minha memória
Descobri o que faria minha tristeza acabar
Algo que com certeza mudaria o rumo dessa história
Era realizar o meu desejo de no tempo poder voltar

Pois eu muito queria outra vez a tudo viver
E repetir os pormenores dessa nossa história
E novamente eu tudo faria por e com você
É que foram momentos sem igual nessa trajetória

Talvez eu conseguisse não repetir os mesmos erros
Me dando por inteiro e sem nunca questionar
Apenas sucumbindo de amor e também de desejos
E deixando mais uma vez você simplesmente me amar

Aí aconteceria o fim de tanta tristeza
A minha alma se faria mais bela novamente
E diante desse amor de rara grandeza
Eu veria cessar meus prantos finalmente

E seria preciso até muito pouco
Para que eu por fim me libertasse
Me aprisionando apenas nesse amor louco
E tudo o mais diante de nós se calasse

E só assim eu poria um fim nessa tristeza
Que tem enchido meu peito de tanta agonia
Pois tudo o que eu gostaria com certeza
Era ao teu lado me sufocar de alegria

Voltar a sentir esse toque tão perfeito
Essa embriagues que a mim enlouqueceu
Deixar explodir esse grito que calo no peito
Para que todos percebam que nada morreu

terça-feira, 3 de agosto de 2010

O Grande Dia


Estou aqui deitada tão tranquila
E ao fechar os olhos por uns instantes
Sinto penetrando de mansinho em meu pensamento
Um outra época já um pouco distante
Foram momentos que enriqueceram meu passado
Onde com muito zelo e bastante cuidado
Eu presenciei cada sorriso encantado
De um esposo e também pai dedicado

Cada som que em minha mente vem
Traz consigo as muitas lembranças queridas
Um tempo onde eu não conhecia as maldades
Que hoje presencio pela vida
Esse é um tempo que também dá saudades
Época que eu nunca me preocupei com a idade
Nem pensava em medir a capacidade
Da maldade daquelas que me eram conhecidas

Hoje percebo como tudo é tão diferente
O mundo repleto de muitas maldades
Onde vemos a insistência do mal contra o bem
Na tentativa de destruir nossa tranquilidade
É de fato um tempo muito ruim
Não entendo por que tem que ser assim
Mas sabemos que tudo isso terá fim
Quando chegar o grande dia da verdade

Luta desigual


Estou vendo a vida por mim passando
Eu sempre continuo aqui nessa solidão
E é quase sempre quando fico pensando
Que eu vejo como foi triste a separação

Quantas vezes pela vida à fora me questionei
Pela escolha que um dia por mim foi realizada
E sempre achando que o que eu mais amei
Foi sem dúvida no que ninguém não acreditava

Passa o tempo e a minha vida também
E até hoje pelos sonhos me deixo envolver
Pois eu sei que a minha lucidez se mantém
Em cada segundo que eu venha recordar você

E sempre insisto nessa luta tão desigual
Que travo constantemente sem me opor
Sempre acreditando que o motivo principal
É o que tem mantido vivo esse grande amor

Não importa se ontem esse amor foi só teu
E que hoje sozinha por ele ainda me debato
Meu consolo é saber que em ti ele só adormeceu
E eu estou esperando que um dia ele seja acordado

AO OUVIR ESSA TUA VOZ


Ouvir essa sua risada me transportou no tempo
Fechei os olhos e um leve roçar na pele senti
Mas eu sei que foi um suave toque do vento
Porém, foi nesse toque que outras coisas revivi

E essa sua voz que como labareda em mim crepitava
E o som que a minha mente ouvia me deixava louca
Não importava do que de fato você ainda me falava
Pois o meu corpo só ansiava era pela sua boca

E em cada segundo que a sua voz eu tranquila ouvia
Tentando em meu desespero ser um pouco indiferente
Porém por mais que eu tentasse, eu própria não cria
Que essa tentativa frustrada não era mesmo só aparente

E a luta tão cruel que se travava dentro de mim
Por muito pouco não me deixou por tudo a perder
Mas para meu alento, esse episódio logo teve fim
E eu pude continuar sozinha apenas recordando você

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Pobre Infeliz


Galgando os degraus da existência
Descobri um alguém bem perto de mim
Uma criatura que só vive de aparências
Pois ela tem um coração muito ruim...

Nessa vida ela só vive de fazer maldades
Chega a ser doentio seu prazer em difamar
Está sempre cada vez mais distante da verdade
Sem se dar conta que um dia tudo isso vai pagar

Quer seja diante da justiça dos homens
E bem mais diante da justiça de Deus
Pois ela terá sempre um condenatório ontem
E com certeza pagará por todos os pecados seus

Se julga poderosa em sua arrogância
Esquecida que temos um Deus soberano
E nessa sua tão descabida ignorância
Desconhece do criador os seus planos

Na verdade ela não passa de uma infeliz
Não consegue colher bondade nem paz
E sabemos que para ela Deus isso nunca quis
Mas cada um recebe por tudo aquilo que faz

Que Deus se apiede um dia da sua alma
E use para com ela ao menos de misericórdia
pois nunca ela conseguirá ter na vida calma
Se continuar dessa forma semeando discórdia
 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios