quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Sonho Proibido


Por que as vezes me parece
Ser tão difícil assim escrever
E meu coração até que esquece
De que forma eu possa fazer

É bem mais fácil falar com o olhar
E poder deixar a imaginação fluir
Basta ter liberdade para poder sonhar
Ao invés de um frio e constante fingir

Se pudessemos o mundo transformar
E deixar falar mais alto o coração
Ao invés de no peito ter que sufocar
O que quase me faz perder a razão

Mas não posso deixar-me envolver
Pelos sonhos que me atormenta
O que de sensato eu posso fazer
É deixar passar essa tormenta

E quem sabe um dia eu consiga
Escrever o que guardo comigo
E eu sorrateiramente te diga
O que julgo ser tão proibido

As vezes eu tento para ti sorrir
Mesmo tendo a alma em prantos
Pois eu me canso de sempre fingir
Com receios de perder teus encantos

E por não escrever vivo sonhando
Com o aconchego dos teus braços
É em sonhos que vives me ralizando
Me enlouquecendo com os teus afagos

E percebo que pronta nunca estou
Para escrever o que guardo comigo
Pois não é fácil dizer que estou
Vivendo este sonho tão proibido

Mas há um amanhã que nos espera
Onde os sonhos se pode realizar
Onde eu possa viver a quimera
De não escrever mas sim de falar

E terei então arrancado do peito
essa aflição que tanto me tortura
Se escrever não consigo, não há jeito
Que ao menos meu olhar fale sem censura

E quem sabe nessa troca de olhares
A razão se deixe por fim sufocar
E apesar de todos os pesares
Prevaleça entre nós o verbo amar

Um comentário:

anny karla disse...

Que lindo... como sempre nos deixa sem palavras tudo que a senhora escreve... Prabéns te amo mamis!!

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios