quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Lembranças Me Atordoam


Realmente,eu hoje estou muito impaciente
E sinto ser incapaz de contemporizar
Pra fazer uma média, mesmo inconsciente
Procurando um jeito das coisas suavizar

Pensar, bem sei que não vai me ajudar
Pois meu pensar se prende ao passado
E por mais que eu tente, não posso apagar
Esse nosso erro pelo tempo já tão marcado

Lembranças me atordoam e me fragiliza
E esquecer tudo nem me parece correto
Se assim o fosse, essa vida que me martiriza
De alguma forma me pouparia,isso tenho por certo

Mas nada muda... Nem nas cores que se misturam
Nem nos gritos calados que sofrem e em nada interferem
E nos meus risos que por mais que tentem não perduram
E nem mesmo os meus sentimentos mudam quando querem

Entristecer-me mais não seria justo, até reconheço
E tentar olvidar alguma coisa, seria até um crime
Lembrando eu sofro, porém resignada até emudeço
Pois nada mais há que a mim, o meu destino redime

Talvez por isso eu ainda continue sempre tão triste
Mas do que fiz no passado, até hoje não me arrependo
Pois pra mim arrependimento é algo que não existe
Pois por amor, qualquer que seja a razão, eu defendo

À Você ...


Ex amigo, ex companheiro, ex amante,
Ex futuro de um passado tão presente
Meu ex tudo de todos os meus instantes
Minha maior e mais terna opção
Nessa minha inesgotável, profunda e eterna
Fonte de inspiração...
........................................................

Sabe, eu hoje preciso muito lhe falar
O que já não dá mais pra eu esconder
E sinto que não dá mais pra calar
É que eu preciso cada vez mais de você

E enquanto mais o tempo vai passando
Menos ainda eu consigo lhe esquecer
Pois meu corpo continua lhe desejando
Só aumentando essa obsessão por você

E nesse momento é grande minha aflição
Pois a cada som que ouço,e quase sem querer
Sinto crescer o palpitar do meu coração
Pois em tudo que é vida eu vejo e sinto você

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Tudo Em Mim


Preciso gritar, mas eu me calo
Por medo? vergonha? não sei
Apenas me fecho e nada falo.
Para meu corpo... Um tormento
Para a minha alma
Mais um sofrimento,
Nisso se esvai minha esperança
E em mil pedaços se fez minha calma.

Então surge um brado de revolta
Que também não explode
E nessa vida de fantoche
Tudo perde o sentido em volta...
Até o ar que prendo e não solto.
E nisso um turbilhão de ideias
Me atinge como uma panacéia
Mas não é nada eficaz.
Tudo se perde, pois nada é capaz
De soltar o que está preso
E prender o que nem existe mais.

Mas o que fazer agora?
Está passando o tempo
Há muito passou da hora...
E como um grande desabamento
Tudo se acaba e eu me pergunto:
Que faço com todos os sonhos
Que no tempo, um a um se desfez
E que hoje como meros defuntos
Jazem nesses meus versos tristonhos.
Mas e aí? os enterro de uma vez?

Agora... Nenhuma brisa a soprar
Nenhuma esperança nascendo
O que vejo é tudo se acabar
Tudo aos poucos vai morrendo.
Já não preciso mais gritar
Já não há ninguém para ouvir...
O meu céu há muito escureceu
Meu corpo não mais se fez sentir
É que tudo em mim... Já morreu...

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Me Sinto Assim...


Por que essa tão grande dor dentro de mim?
Está tão forte, parece que vai me consumir
É como se estivesse precipitando meu fim
Nem sei se conseguirei a tanta dor resistir

Ela dói de uma forma tão cruel e esmagadora
E por mais que eu queira, não consigo chorar
Percebo não ter mais minhas lágrimas consoladora
E essa sensação de vazio parece que vai me matar

Me sinto assim... Sem rumo,cansada e perdida
Querendo na verdade da vida me esconder
E essa dor que estou sentindo se torna mais doída
Porque me lembro que tudo começou lá atrás, com você

Mas hoje porém, o que estranhamente eu vi acontecer
Foi esse triste sentimento que quase me asfixiou
E eu ainda não sei, se foi saudade desmedida de você
Ou se foi apenas cansaço dessa imensa falta de amor

Na verdade seja lá o que for que está comigo acontecendo
Imploro agora aos céus apenas por um minuto de atenção
Pois tudo que eu estou precisando nesse exato momento
É estar em seus braços e acabar de uma vez tanta aflição

Nesse Momento


Hoje, mais precisamente nesse exato momento
Estou me sentindo envolta em névoa fria
E como quem vive em constante tormento
Tudo se esvai, já não há mais alegrias

E uma insatisfação cada vez mais descontente
E uma aflição muito mais que assustadora
Povoa de sentimentos contrários a minha mente
Deixando sangrar a minha alma, nunca imorredora

E como um flash insuportável vejo desfilar
Imagens que me assombram sem eu querer
E por mais que eu fuja, só consigo captar
Todas as lembranças que me vêm de você

E contra a minha vontade ainda tenho que amargar
Todos os sofrimentos que parecem não se deter
Diante de todas as verdades que vivo a buscar
Na vã tentativa de atrair para mim apenas você

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Ainda É Seu



Como posso ter paz na minha vida
Se esse passado me queima sem dó
E as sensações lembradas tão atrevidas
Me mostram que sem elas seria bem pior

E nesse momento uma brisa vaporosa
Me toca com lascívia e a sinto sem igual
E em mim as labaredas que crepitam ardorosas
Não lembram o quanto elas podem me fazer mal

Eu sei que nunca o tempo irá voltar
E essa angústia terei por meu martírio
E tudo que a mim vier para me castigar
Será consequências desse nosso idílio

E outras vezes mais estarei esperando
Para o destino mudar essa nossa situação
Embora seja difícil eu ver algo mudando
Mesmo assim... Ainda é seu meu coração

É Só Deixar Acontecer


Essa madrugada choveu bastante
E de imediato no tempo me transportei
E foi como um desesperado viajante
Que na distância,esperançosa lhe busquei

E foram horas de insônia e com sofreguidão
Eu vi minha busca na enxurrada soçobrar
Triste, aconcheguei-me nos braços da ilusão
E percebi que só me restava voltar a sonhar

A chuva se acalmou e se foi ao amanhecer
Mas a minha solidão aqui permaneceu
E mais uma vez eu me vi perdendo você
Como tantas outras vezes já me aconteceu

E tendo o meu olhar turvo e sonolento
Me vejo diante do espelho,o coração disparado
Me envolvendo nesses momentos modorrentos
Sentindo meus desejos completamente despertados

E como tantas vezes isso já me aconteceu
Terei novamente dias e dias a sonhar com você
Pois o tudo que houve entre nós nunca morreu
E para reviver esse amor, é só deixar acontecer

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

EU VI NO TEMPO



Quantas vezes esperasses por meu amor
Enquanto eu sozinha aqui continuava
E você sofrendo calado essa grande dor
Sem saber que eu aqui ainda o esperava

Mas o tempo pra nós foi passando
E tudo que não devia, começou a acontecer
Mais distante um do outro fomos ficando
E eu vi no tempo, um do outro se perder

Hoje, já tão distante de tudo, estamos
E vivemos sem nada um do outro saber
Embora, sempre para o tempo nós contamos
Cada detalhe nosso que não dá pra esquecer

E um dia quando nós menos esperarmos
O tempo e a distância finalmente irão
Nos presentear por tudo quanto vivenciamos
Eles irão entender,e por instantes nos unirão

E será nós que iremos decidir o que irá acontecer
E seja esse o grande momento que esperamos por fim
E eu terei finalmente nos braços, outra vez você
E matarás mais uma vez, essa saudade imensa de mim

Nunca Imaginei


Quantos momentos no tempo esquecidos
Até parece nunca terem existidos um dia
Mas foram momentos por nós bem vividos
Que nos deu muito prazer e também alegrias

Hoje me perco no que tudo isso representou
E mergulho em cada um desses momentos
Pois foram na verdade explosões de amor
Que um dia se perderam como folhas ao vento

As vezes penso no que pra você representei
E eu sei que fui o seu primeiro encantamento
E talvez seja por isso que nunca eu imaginei
Que veria nossa história cair no esquecimento

Será que as vezes pensas no que um dia fomos
E em todas as verdades que vivemos lado a lado?
Mas é possível que pelo que hoje nós somos
Ainda temos razões para sofrermos tudo calados

E Até Hoje


Onde andará quem um dia me fez conhecer
O significado das palavras
Saudade e solidão?
Será que és feliz...
Será que ainda lembras de mim?

Os meus dias sempre são tristes
E as minhas noites angustiantes
E quase sempre impregnadas
Do teu amor...
O cheiro que deixaste em meu corpo
Tomou conta da minha alma
E até hoje perturba os meus sentidos
Tão carentes de você.

O gosto amargo da saudade
Me enlouquece
Na angústia dessa tua ausência
Que insisto em mitigar
Mesmo sabendo ser em vão.

Ouço a todo instante
A tua voz sedosa e enlouquecida
Soando em meus ouvidos
Sempre a repetir
As mais belas frases de amor

Nunca terei como apagar-te da minha vida
Pois eu sei que seria por um fim
Na minha existência...
Muito tempo irá passar
E mesmo assim, sei que de mim nunca sairás
Pois teu cheiro... Teu gosto
Faz parte de cada instante que respiro
Nessa minha existência tão repleta de solidão

Outras Noites Virão


O atravessar dessa noite, foi sem dúvida
angustiante...
Fantasmas do meu passado
Pareciam surgir das sombras...
Foram momentos que oscilaram
Entre a saudade e a aflição
Dessa ausência tão cruel e mesquinha.

Nunca mais pude mergulhar
Nesse lago escuro e profundo
Do teu negro olhar...
Quantos sonhos esquecidos
Na imensidão desse teu olhar
As vezes tão serenos, e em outras
Lascivo e perturbador.

A penumbra que paira sobre o meu quarto
Deixa escapar sombras que tomam formas
Diante da minha ansiedade de você...
Sons lúbricos me envolvem com intensidade
Me fazendo transpirar
De desejos insaciados...
Essa foi mais uma noite
Onde pude senti-lo em meus braços
Como tantas vezes aconteceu no passado

Nunca mais tive paz...
Esta se perdeu
Levada por uma alma
Que comigo partilhou...
Sonhos, emoções e também ansiedades.
Eu sei que outras noites virão
Onde poderei viver com minhas fantasias
Toda a grandeza desse sentimento
Que tantas vezes nos arrebatou
Quase nos asfixiando de prazer...

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Versos Sem Brilho


Já tendo a alma quase morta
Suspiro perdida em meio aos sonhos
Buscando por algo que já nem importa
Pois nem mesmo sei o que ainda componho

As vezes são versos sem brilho e tristes
Onde até a saudade do nada ainda me fascina
E essa tristeza que quieta ainda resiste
Ela sempre vem aflorando na surdina

E o meu coração se angustia, desconsolado
E diante do meu mundo perdido, chora
E sinto que é a dor dos desesperados
Que por um pouco de amor ainda implora

Já foram jovens, meu corpo e a minha mente
E em minha existência também houve flores
Mas também foi por meio de pouca gente
Que eu vim a conhecer as primeiras dores

Primeiro veio entristecer-me a desilusão
Que abraçou-me de modo cruel e sorrateira
Depois alojou-se em mim a terrível solidão
Que tem me acompanhado pela vida inteira

E hoje os muitos respingos de tristezas
Que ensombreia sem dor a minha alma
Vai tirando de mim toda a firmeza
Que no tempo susteve a minha calma

Inaudito Vácuo


Uma árvore que já fora um dia
digna de olhares cobiçosos...
Que floriu em derredor
e a tudo perfumou,
Teve o destino que a maioria tem...
Ofereceu sua sombra, ofertou seus frutos
E hoje agoniza pela traição do tempo.

O inverno que chega, melhora um pouco
a sua aparência,
Já tão gasta, tão sem cor.
Mas aí, vem o verão, e transforma-a
com a intensidade dos seus raios
que a tudo embeleza,
mas que a ela só consegue,
pouco a pouco
exterminar com aquela aparência
que na verdade é só aparência.

Dentro dela há um doloroso vácuo
que o homem lhe presenteou,
em troca do bem que dela desfrutou.
Há um imenso vazio, doloroso e desconhecido
que nem mesmo a sua seiva consegue atingir.

Que foi feito da beleza, da robustez
daquela árvore
que um dia, ao homem se presenteou?
Foi pouco a pouco destruída...
Quando ferida, apenas deixava a seiva escorrer,
quando lhe podavam, sentia a liberdade que
lhe fugia...

Até que um dia, lhe foi dado o direito
a um tronco, já quase sem vida,
sem sentimentos...
Apenas conseguiu ocupar um espaço,
onde ainda há quem dela se lembre,
sem contudo notar
que há muito, esta, se acha morta.
É horrível, simplesmente existir...
Sem mais ter uma sombra pra oferecer
sem um fruto para dar
sem uma gota de vida para escorrer,
se porventura for ferida novamente.

.......................................

Assim sou eu... Como esta árvore...

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Mais Sentido


Meu Deus, o que está acontecendo?
Não estou conseguindo mais pensar
Meus sentimentos estariam adormecendo,
Por isso não consigo no passado mergulhar?

É como se tudo que eu chamo de vida
Já não me pertencesse mais
Pelo passado não fico mais tão sentida
É como se sentir eu não fosse mais capaz

Que estranha sensação que me invade
Nem mesmo inquietar-me eu consigo
Nada mais me preocupa, nem a minha idade
É como se o tudo fosse nada, fosse finito

Tento lembrar o que muito me fazia pensar
Mas é como se o viver não persistisse
Não estou conseguindo sofrer,nem chorar
É como se meu viver morrendo, não existisse

Olho para trás e não vislumbro mais nada
Se olho para dentro de mim, não acho explicação
Não me sinto triste nem tão pouco arrasada
Apenas sinto um que, inexplicável no coração

Inexplicável pois não consigo decifrar
O que de fato está acontecendo comigo
Estou temendo ver minha inspiração expirar
E eu não encontrar no lápis mais sentido

Me Sinto Estranha


Eu queria muito pensar em você
Como a vida toda eu sempre pensei
E a cada lembrança eu conseguia escrever
Cada momento que com você eu vivenciei

Mas hoje, já não consigo mais lembrar de você
É como se a nossa história não tivesse acontecido
E isso na verdade muito tem me feito sofrer
E viver assim, é algo que eu não consigo

Fecho os olhos e não vejo a tua imagem
Busco-o nos meus sonhos e não o encontro
Não vejo qual seja a grande vantagem
Se a minha alma se encontra nos escombros

Me sinto tão estranha... Vazia e perdida
E não creio que haja razão para não ser assim
As vezes até me sinto um pouco dividida
E triste eu choro com pena de mim...

Talvez um dia eu ainda possa descobrir
Por que hoje, um outro desgosto nasceu pra mim
Embora eu não consiga, sei que devo insistir
Pois não quero que essa história termine assim.

Resumo Perigoso


Olhando o percurso já feito desse meu caminho
Percebi que foram muitas passadas perdidas
Principalmente quando há ausência de carinho
E uma alma triste, abatida e muito ferida

E hoje eu vejo o que eu nunca quis ver
Que fiz da minha vida um resumo perigoso
Deixando que a minha vida se resumisse a você
E assim tive anos vividos de modo doloroso

Mas agora que mais nada disso estou sentindo
Olho para trás e vislumbro algo muito distante
E se isso ainda escrevo, por certo não estou mentindo
Mesmo que nada eu esteja entendendo nesse instante

Então um receio me chega de repente...
Como farei agora para continuar a escrever?
Pois só se escreve aquilo que se sente
e se eu não estiver sentindo mais nada por você?

Mas eu creio ser esta uma preocupação sem sentido
Pois seja lá o que está a me acontecer
Descobrirei uma forma nesse mundo perdido
Que possa em definitivo ter algo a ver com você

O Tempo Se Foi


Que saudades senti agora
De uma época tão linda
Quando eu era apenas uma menina.
Mas este tempo foi embora
E com ele, tantos sonhos
Tantos encantos e a minha maior ilusão
E hoje apenas o meu olhar tristonho
Se afoga nas amarguras do meu coração.

O tempo se foi e com ele você
E eu aqui, sozinha continuei
E por tanto eu procurar esconder
Que até para mim este amor enterrei...
Enterrei meus sentimentos
Mas o coitado conseguiu sobreviver
E a cada novo momento
Bem mais forte se fez para me contradizer

E o coitado sozinho continuou a luta
Vencendo o tempo e também a distância
E centenas de vezes me viu chorar
Pedindo ao destino por clemência...
Mas este já nada podia fazer
Deixando-me sozinha com a minha dor
Mas as lembranças sempre me trazem você
Mostrando-me que não se esquece um grande amor

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Ainda Terei


Estou indo tomar banho apenas pra me refrescar
Não tenho nenhuma outra intenção nesse prazer
Minha mente está tranquila, nada a pensar
Em nada estou pensando, nem mesmo em você

Mas ao sentir a água deslizando sobre meu corpo
Um gostoso frêmito vou começando a sentir
E me toco com lascívia e muito gosto
E variadas sensações começam a surgir

E como num sonho, em lembranças me perco
Ouço sons que me levam bem mais além
E nos meus desejos de mulher, agora vejo
Que os mesmos estão bem mais vivos também

Meu corpo reclama essa grande ausência
Essa falta constante de gozo e prazer
Mas eu sei que com certa paciência
Ainda terei vibrando junto de mim,você

E Se Não Fosse


As vezes me sinto meio deprimida
Parte de mim perde o jeito de pensar
Pois eu sei que nos percalços da vida
Só vou tendo motivos pra me machucar

Talvez por isso eu mergulhe tão fundo
Num mundo onde muito pouco cultivei
Mas eu sei que é dele, que de modo profundo
Vejo que nunca deixei de amar o que sempre amei

Eu sei que muitos até acham ser masoquismo
Reviver o que me causou tão grande dor
Eu creio ser mais fácil converter-me ao ateísmo
Do que querer matar dentro de mim esse amor

Não importa até onde vá esse meu viver
Já que é apenas assim que eu vivo
E se não for essas lembranças de você
Pode estar certo que eu apenas existo

Que nunca se confunda minha mente
Entre o reviver dessas minhas lembranças
E por tudo quanto a minha alma ainda sente
É que percebo brotando um fio de esperança

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Nunca Vejo


Tive na vida grandes e pequenas desilusões
E nenhuma delas eu consegui entender
Foram diversas e adversas situações
E todas elas estavam ligadas a você

E para esquecer toda essa história
Pra mim tem sido difícil demais
Talvez pra você haja uma forma simplória
Mas pra mim tudo exige muito mais

Talvez por isso um mundo pra mim inventei
As vezes é muito triste,mas também sonhador
Hoje, ele faz do ontem que não sepultei
Uma fingida indiferença em meio a tanta dor

E como sempre permaneço na ilusão
Dos grandes momentos que tive desse amor
Neles encontro toda a minha inspiração
De um jeito voluptuoso e provocador

E durante anos tenho esperado por isso
Não mais do que esperei você voltar
Por isso sempre triste eu me sinto
E por mais que eu espere,nunca o vejo chegar

É De Você


De Uma Amiga Para Um Alguém

Um misto de ódio e revolta
Toma conta do meu ser
Não sei se tenho raiva dela
Ou se meu ódio maior é de você

Quantas vezes me pego pensando
No que me causou-me grande dor
Eu sei que as vezes ficas me observando
Procurando talvez, vestígios de amor

Isto é algo que de mim não mereces
Embora eu sinta que a duvida persiste
Percebes também quando algo me aborrece
E as vezes você se perde e de falar, desiste

Isso é algo que acontecer não devia
Nem comentar no que possa me lembrar
Pois o que para você tenha sido fantasias
A mim com certeza só fez mesmo magoar

Isso são coisas que não se esquece
Fingir, até certo ponto ainda consigo
Mas lhe digo, tudo isso apenas embrutece
A quem recebeu o que não era merecidoa


Saudades De Um Tudo


Um amanhecer triste e solitário
Parece abrir os longos braços para mim.
A noite, como sempre foi longa
E a madrugada mais fria que de costume.

Olho para o horizonte... Nuvens plúmbeas
Parecem saudar-me de forma como a dizer-me
Que compreende o quanto tenho
A alma taciturna e sem esperanças.

Um choro me tira desses momentos angustiosos...
Aproximo-me do berço e percebo um semblante
inocente, que está a dormir.
Provavelmente o choro rápido
Tenha sido causado por algum sonho...
Observo-a mais um pouco,
A tranquilidade, porém, parece ter sido
readquirida.
Volto para os meus pensamentos
E minhas saudades ressurgem com mais
intensidade.

Onde estarás nesse momento?
O que será que estás a fazer?
Talvez tenhas despertado e estejas pensando
em mim... Após algum sonho romântico
ou sensual...
Ou quem sabe estás a sonhar com
novas e doces ilusões...

Nesse momento uma chuva fina começa a cair...
Saio pro jardim, e me deixo tocar pela garoa.
De repente a chuva torna-se forte
E desaba um aguaceiro
e sinto meu corpo fremir... não de frio
Mas de desejos insaciados.

Levanto o meu rosto e deixo a chuva
se misturar as minhas lágrimas
que principiaram a cair...
Apenas a minha alma chora nesse momento...
Chora de saudades... Saudades de tudo,
de nós dois...

Maio de 1979

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Não É Bastante


É muito difícil qualquer convivência
Pois nunca deixa de surgir as dificuldades
Pra se viver bem é preciso muita paciência
Principalmente quando já se tem uma certa idade

Não é bastante o respeito e a cumplicidade
Mesmo quando o amor também se faz presente
Na verdade é preciso haver em tudo reciprocidade
E que a falta da verdade esteja sempre ausente

A renúncia também faz parte desse pacote
E esta nunca deve ser apenas de um
Sobressaltos se tem,mesmo que não se goste
E que nunca se procure culpado em nenhum

É realmente muito difícil se conviver
Sem que nunca alguém seja machucado
E isso vale tanto pra mim, quanto pra você
Não importando em que mundo estejamos abraçados

Menos Pra Mim


Eu sei que para o mundo, o tempo
tem passado
Já para mim, tem sido diferente,
ele ficou parado.
E não aceito que me recriminem,
Se ainda não consegui lhe esquecer
é que nisso tudo
Pra mim só restou
As muitas lembranças de você...

E por mais que eu tente
ainda percebo
Como tem sido inútil insistir
E nessas minhas razões
Ainda descrevo
O tudo que não deixo de seguir...
E é nas horas de sono, perdidas
Que a saudade cruel e desmedida
Brota mais forte desse meu desejo
De com você pra sempre me unir

E nesses constantes desabafos
Nessas ânsias contidas de você
Percebo para o meu desagrado
Que não basta apenas eu querer
É preciso que haja de fato
Muito mais amor
Que mesmo não havendo contato
Supera essa infinita dor

Meu Tempo


O meu jardim de sonhos,muito pouco florido
Teme do tempo o cruel e inevitável murchar
Pois no íntimo eu até já tenho pressentido
Que nada eu poderei fazer para isto evitar

E no outono da minha existência
Verei o cair de cada folha, enfim
E com a minha pouca experiência
Sei que nada mudará para mim

E essas folhas soltas ao vento
Serão levadas ao sabor do acaso
Assim é a minha vida, ao relento
Sofrendo do destino todos descasos

Talvez com o surgir da primavera
Outras chances haverão de chegar
Terei guardado da vida as quimeras
Esperando o meu tempo de brilhar

Realmente


Será que eu tenho da vida
Algum tipo de certeza
Sem que eu me veja envolvida
Apenas em sentimentos de tristezas

Como seria bom se eu pudesse
Expor todos os meus sentimentos
Sem que para isso ninguém fizesse
Comentários de constrangimentos

Mas infelizmente, seria muito, esperar
Que compreendessem a minha razão
E apenas se abstivessem de algo comentar
Não importando qual fosse a real opinião

Mas também sei que seria muito, querer
Das pessoas uma certa dose de compreensão
Já que a maioria jamais iria dizer
O que realmente sentem no coração

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Combate Final


Se minha alma fosse uma veste
Eu a rasgaria com o maior prazer
Pois não há nada que eu mais deteste
Que sentir minha alma sangrar por você

É que eu tenho gravado a sangue e fogo
Todos os meus sentimentos por você
Mas confesso que nenhum deles é pouco
Para lembrar o que eu preciso esquecer

Cada lembrança que procuro não lembrar
Me chega de maneira livre e despreocupada
Pois não há como nessa vida querer negar
Que só vivo para ter essa história relembrada

Essa foi a unica maneira que eu encontrei
de dar alento a esse meu sofrido coração
Por tudo que vivemos, sei que ainda terei
Como reavivar cada sonho, cada ilusão

E eu bem sei que um dia teremos o duelo final
Minha alma, sua eterna escrava ainda lhe fará
Num esperado momento, sublime e triunfal
Por amor,sem rancor e remorsos se entregar


E bem sabemos que nesse dia tudo irá acontecer
Será esquecido tudo quanto se perdeu
E nos entregaremos com volúpia e nesse prazer
Sentirás que nossa história nunca morreu

E como merece todo grande combate
Vencedor e vencido finalmente se unirão
Esquecendo experiência ou mesmo idade
Pois o que importa é o que temos no coração

E num lampejo esse amor finalmente gritará
E dominados pela paixão e pelo prazer
Sentiremos no corpo terno vibrar
Desse amor tão louco entre eu e você

E este será realmente um combate final
Não haverá mais dor nem sofrimentos
E assim de maneira quase descomunal
Teremos celebrado esse acontecimento

O passado ficará para sempre sepultado
O nosso presente se fará firme e grandioso
Nosso futuro será como todo projeto desejado
Restarão poucos anos,mas não serão fantasiosos

Meus Desgostos


Hoje eu guardo da vida um certo rancor
É por eu saber que no meu passado
Ficou para trás uma história de amor
Sem que nenhum de nós a tivesse acabado

Os anos foram se passando, perdidos
E a cada novo amanhecer que surgia
Meus sentimentos ficaram mais sofridos
E fui perdendo deles, toda a alegria

E se olho para o meu ontem descubro
Que o meu hoje tem apenas se resumido
No preparo de um amanhã mais obscuro
Do que todo o meu passado destruído

E nessas mágoas e dores guardadas
Vou sobrevivendo numa existência
De situações, as vezes inusitadas
Para meus desgostos e penitências

Rejeição


Um dia senti da vida a rejeição
Mesmo assim nunca pensei em desistir
Pela vida fui traída sem compaixão
Mas decidi que o melhor seria fingir

E foram tantos momentos de aflição
E eu nunca os conseguia entender
Então a mágoa entrou em meu coração
Mas nem assim deixei de lhe querer

E sempre quando eu me via sofrendo
Da vida, só querendo me esconder
Continuei pela vida lhe querendo
Já que viver, pra mim, era só você

E o tempo cruel foi passando
E em frangalhos comecei a me sentir
E em tudo eu continuei lhe buscando
Me deixando pelo desejo consumir

Por Serem Sonhos


Foram muitas as vezes que pensei em voltar
E aceitar finalmente o que a vida me impôs
Mas o tudo que consegui, foi rejeitar
À espera do que pudesse surgir depois

E em sombras perdidas eu então me refugiei
Na inútil tentativa de conseguir não lembrar
Dos meus obscuros desejos que sempre guardei
Para apenas com você, um dia os saciar

Mas nunca consegui de fato realizar
Esses meus sonhos sempre tão carentes
Mas eram sonhos tão puros e fáceis de sonhar
Mas por serem sonhos, não foram permanentes

E assim, dessa forma fui sempre buscando
O que eu tanto um dia pensei em viver
E em todos os momentos fui esperando
Realizar estes meus sonhos com você

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Se


Quantas vezes pensei em te procurar
E sem medos confessar o meu amor
Mas o receio sempre me fez parar
E aqui fiquei chorando a minha dor

Talvez nossas vidas fossem diferentes
E hoje pudessemos juntos estar
E confesso que esse mundo aparente
Não conseguiria nunca nos afastar

Acordaríamos quem sabe, abraçados
E juntos faríamos nosso desjejum
E nada te deixaria mais fascinado
Quando nos sentíssemos apenas um

Se tudo tivesse sido de outro jeito
Muitas coisas teríamos para segredar
Como esse amor que trazemos no peito
E essa imensa vontade de nos amar
 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios