quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Ainda É Seu



Como posso ter paz na minha vida
Se esse passado me queima sem dó
E as sensações lembradas tão atrevidas
Me mostram que sem elas seria bem pior

E nesse momento uma brisa vaporosa
Me toca com lascívia e a sinto sem igual
E em mim as labaredas que crepitam ardorosas
Não lembram o quanto elas podem me fazer mal

Eu sei que nunca o tempo irá voltar
E essa angústia terei por meu martírio
E tudo que a mim vier para me castigar
Será consequências desse nosso idílio

E outras vezes mais estarei esperando
Para o destino mudar essa nossa situação
Embora seja difícil eu ver algo mudando
Mesmo assim... Ainda é seu meu coração

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios