quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Inconstantes Sentimentos


Como posso preencher o vazio
Que um dia deixasse em mim
Se na calada da noite o frio
Me perturba sem ter fim

Muitas têm sido as noites
Que procuro em vão fugir
Da solidão com seus açoites
Fazendo meu peito de dor explodir

E nesses inconstantes sentimentos
Me deixo levar sem resistência
Fugindo de alguns acontecimentos
Sempre negado pelas aparências

E guardando calada a minha dor
Me deixo seduzir pela saudade
Bem sei já não há resquícios de amor
Mas por um, ainda aguardo com brevidade

E sinto o coração levemente estremecer
E uma brisa que suavemente me envolve
E recostando a cabeça sinto adormecer
A solidão fria que o meu ser já não absorve

E abraço com ternura o meu travesseiro
Embalada na esperança que não tarda a surgir
E de repente num gesto como se fosse o primeiro
Mergulho no silêncio do nada sem temer o porvir

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios