segunda-feira, 3 de novembro de 2014

ESQUECESTE


Não adianta insistir em me enganar
Pois impregnasses todo meu ser
Pois me ensinaste apenas a amar
Esqueceste de me ensinar a te perder
Portanto não menti ao expor essa paz
Que tomou conta da minha alma
Só que fazer-me esquecer-te não foi capaz
Apenas restaurou em mim uma suave calma
E os dias que vão passando apenas mostra
Que olvidar-te será com certeza impossível
É que na verdade quando realmente se gosta
Viver relembrando tudo é até compreensível
E cá estou... Tranquila, calma, eu diria anestesiada
Um novo amor? não acredito, e juro, pra mim já deu
Por culpa de VIDA, do amor eu fiquei desacreditada
Afinal não sou nenhuma Julieta e você não é Romeu

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios