terça-feira, 9 de março de 2010

Esquecida De Viver


Esperei demais de você
Que em meio a tanta rudeza
Soube sim me querer
Com sentimentos de grandeza

Hoje eu sei que faltou em mim
Tolerância para poder aceitar
Pois eras um bruto,um bruto sim
Mas com amor sincero para dar

Pensando em tudo quanto vivemos
Nas inúmeras dificuldades vencidas
Percebo que muitas vezes queremos
Situações que não devem ser vividas

E ao longo dos anos também fui vendo
O que nunca conseguia compreender
Vencemos por seu grande amor,hoje entendo
Que podias ser bruto,mas era seu jeito de ser

E foram tantas as situações por mim criadas
Mas com o tempo sentimentos foram vencidos
E para quem nessa vida não tinha nada
Devia se conformar com esse amor sofrido

Seus ciúmes, sempre tão loucos e destruidor
E esse seu amor, tão possessivo e sem igual
Deixou o meu mundo com mais sombras de dor
Prevendo para o meu destino um triste final

E foram anos de muitas dores e tristezas
De grandes angústias e aflições sentidas
Onde já não fazia sentido o que era nobreza
Restando para nós as amargas horas sofridas

Mas se foi no tempo, esse triste tempo
E hoje longínquas lembranças restaram
E morreu também os tristes lamentos
E finalmente as feridas cicatrizaram

Mas agora, olhando calmamente para você
Penso em todo o sofrimento que passamos
E me resigno agora tão somente a querer
Esquecer de vez as batalhas que travamos

É preciso se aceitar para que aconteça
Uma forma simples de também querer
Um algo mais que enfim nos fortaleça
E descubramos razões para a tudo vencer

Mas deixemos de lado tudo que foi dor
Que lembrar só nos causará mais sofrer
Não sou a única atingida pelo desamor
Nem serei a única que esqueceu de viver

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios