quarta-feira, 30 de março de 2011

Aquele Olhar


Aquele olhar misterioso e tão provocador
Perdeu-se pelas caminhadas da vida
Dispersou-se na dor do primeiro amor
Nos braços frios da ilusão perdida

Aquele lascivo olhar que tanto o enlouqueceu
Perdeu-se nas angustiosas noites de saudades
Aos poucos foi se entregando, por fim arrefeceu
E não teve do tempo nem um pouco de piedade

O tempo passou, nos escombros tentou sobreviver
Após ter sucumbido ante seu sombrio esquecimento
Sempre iludida nessa vã e fria esperança,que você
Um dia fosse finalmente tocado pelo arrependimento

Mas tanta coisa se fez,tudo mudou e nada vi acontecer
E aquele olhar dantes radiante,conheceu noites sombrias
Dias,semanas e anos de intenso e desesperado sofrer
Sempre aconchegada as madrugadas tenebrosas e frias

E foi assim, que o meu olhar as vezes inocente
E sempre tão insinuante em muitos outros momentos
Hoje porém,jaz aqui infeliz na opacidade inclemente
Desse seu lúbrico amor que não me sai do pensamento

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios