quarta-feira, 20 de abril de 2011

Sem Chances



Dentro de mim surgiu uma grande tristeza
Dessas que não sabemos no que vai dar
Ela é contínua e minha única certeza
É que por muito tempo não irei suportar

Ela desestrutura todos os meus sentimentos
E a sinto como se tivesse vindo pra ficar
Como se não bastassem todos os meus tormentos
Esse é um daqueles que só sabe as vidas arruinar

Ela as vezes invade a minha alma de forma tão cruel
Que penso que o melhor mesmo seria eu nem existir
E sinto-a transbordando na minha vida como um fel
Que eu aos poucos vou sorvendo sem nada exigir

E ela quando me chega assim tão forte e sorrateira
Minando qualquer resquício de parcas alegrias
É como se fosse assim, uma respiração derradeira
Sem nenhuma chance para o nascer de um novo dia

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios