quinta-feira, 28 de maio de 2015

Não dá pra disfarçar


Crônica:
Hoje, uma senhora se aproximou de mim e perguntou se podia sentar (havia uma cadeira vazia ao meu lado) disse-lhe que podia ficar à vontade. (Estávamos num consultório médico). Ela olhou-me e deu-me um sorriso carinhoso e disse: - Posso falar um pouco? novamente sorri e assenti com a cabeça. Nisso o esposo dela que estava próximo balançou a cabeça num gesto de aprovação. Nem assim despertou-me a curiosidade. Continuei com o olhar distante, nisso ela tocou meu braço e falou:
- Meu esposo chamou a minha atenção pra você.
Olhei para ela, mas nada perguntei. Desviei o olhar e ela falou:
Você tem uns olhos lindos, foi isso o que meu esposo me falou, mas logo em seguida ele disse: -Por que será Vitória que ele tem um olhar tão triste... Tão perdido?
Mais uma vez sorri e dessa vez falei; - Não sei minha filha, eu bem que gostaria de saber porque sou tão triste, tão infeliz...
Ela pediu-me licença, pegou a minha mão e alisando-a carinhosamente perguntou: - Você é sozinha?
- Não... E sim... Respondi
Ela disse: - Não entendi...
Falei: Tenho família... Mas me sinto só... Completamente só.
Ela pergunta: -Família mesmo?
Sim... Respondo e continuo: - Esposo, filhas, genros, netos, mãe, irmãs, cunhadas, sobrinhos, tios, primos...
E por que se sente tão só?
Não sei... Realmente não sei...
Ela riu e disse: - Você tem um ar muito misterioso...
Já ouvi isso algumas vezes... Mas confesso que até hoje em nada me ajudou.
Ela fez um ar de riso, nisso ela foi chamada para entrar no consultório e eu continuei com o pensamento longe.
Ao sair, ela chegou perto de mim e perguntou-me se podia me dar um abraço. Acenei com a cabeça que sim e me levantei. Ela me deu um abraço bem apertado, o esposo dela se aproximou e pedindo licença fez o mesmo, de modo bastante forte, bem forte e disse. Você nos lembra uma filha nossa,que se estivesse viva teria mais ou menos a sua idade... Mas ela nos deixou, e ela era exatamente como você... Tinha tudo mas não era feliz.
Se despediram e se foram. Acomodei-me e fiquei a pensar naquele casal.
Logo em seguida fui chamada e dirigi-me a sala do meu médico. Ao abrir a porta dei-lhe um bom dia ele sorriu-me e disse: Foi de você que um casal de idosos falou-me ao sair daqui ainda há pouco. O homem encantado dizia, ela tem os olhos mais lindos que já vi e a esposa retrucava, mas é o olhar mais triste que eu já vi...
Sorrindo, ele se levantou me deu um abraço e disse-me, eu tinha certeza que era
de você que eles falavam...
Eu ri e respondi: -Não dá pra disfarçar, ao menos eu ainda não aprendi...
Meu médico me olhou nos olhos e falou... Você pode fingir à vontade, mas a sua
alma é genuína... Não consegue sequer disfarçar... Que dirá mentir... Falo isso porque a conheço há quase vinte anos...

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios