quinta-feira, 28 de maio de 2015

PELAS ESTRADAS DA VIDA


O que fazer quando já não se sente nada?
Há momentos que nem tristeza consigo sentir
Minha vista já nada alcança... Está embaçada
Uma inércia até pra escrever, melhor não insistir
Me sinto perdida... É exatamente isso... Perdida
Não encontrando razões pra nada, nem pro que adoro
Escrever, por um bom tempo foi o tudo da minha vida
Estranhamente hoje, abdicar da escrita já não deploro
Essa calma, que na verdade é apenas indiferença
Tem me arrastado a um mundo desconhecido
E já ponho em dúvida até mesmo minhas crenças
Embora eu ainda sinta que nem tudo está perdido
Chorar já não consigo, uma espécie de revolta me afeta
Lembrar o tudo que passou já não faz nenhuma diferença
A escrita sempre me motivou, mas hoje ela já não me desperta
Estou a sucumbir num mundo envolto numa fria indiferença
Me assusto ante uma realidade que não busquei com certeza
A frieza que povoa minha mente é assustadora e também cruel
Pelas estradas da vida fui perdendo o encanto, e até a tristeza
Silencia junto com o pranto... Só me resta o amargo sabor do fel...

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios