terça-feira, 7 de abril de 2015

NADA É IGUAL


Olhando o horizonte vejo o entardecer
Que se recolhe com todo seu encanto
Dando lugar a mais um belo anoitecer
As estrelas,e o luar prateando o campo
Ao longe o piscar salteado dos pirilampos
Que se mistura ao som inconfundível dos grilos
E lembro quando criança das férias no campo
E a escuridão da noite rasgava o ar tranquilo
As estradas de terra vermelha a tudo empoeirava
Os gritos dos camponeses soava ensurdecedor
Eu quase sempre sem nada entender tudo perguntava
E o movimento dos trabalhadores se confundia na cor
Havia tanto para se admirar e pouco a se entender
Meus olhos de criança esperta ía a tudo perscrutar
Muitas férias alí passei e nunca cheguei a entender
Naqueles rostos queimados de sol os olhos a brilhar
Hoje eu sei... Era apenas alegria pela certeza do pão
Trabalhavam bastante mas nunca foram explorados
Havia respeito desde o trabalhador braçal ao patrão
E era me lembro bem, um salário justo e bem pago
Hoje a tecnologia o campo invadiu bem se vê
Já não se faz trabalhador como antigamente
Já não há gritos e poucas ferramentas a recolher
Tudo perdeu o encanto, nada é igual a antigamente

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios