sexta-feira, 10 de abril de 2015

Desejar de tudo o fim



Essas lágrimas quentes a escorrer pelo meu rosto
Em nada vão me ajudar disso eu tenho certeza
Mas não consigo retê-las... São muitos desgostos
Que tira de qualquer um o menor gesto de grandeza
Por que tudo isso a me acontecer, eu não entendo
As vezes chego até a questionar do meu Deus
Mas por que tanto sofrimento em mim, até repreendo
Até parece que não tenho forças e minha voz á morreu
Nunca pedi demais à vida e menos ainda a Deus
Nunca fui santa nem tão pouco ruim ou desumana
Mas eu nunca fui feliz e nunca tive nada de meu
E hoje agonizo como a pior das criaturas humana
Ninguém nunca irá me entender, quem pode não o faz
Sempre fugi da vida e de suas desmesuradas armadilhas
Mas hoje pude perceber que não sou e nunca fui capaz
de querer da vida bem mais que essas tristes migalhas
..........................................................................................
Eu hoje estou triste... Bem mais desgostosa que o habitual
Que Deus se apiede de mim e veja como me tem sido difícil
Fingir... Ao sorrir cada riso faceiro ou mesmo que seja casual
Já não dá... Pois a cada dia que passa está muito mais difícil
Possa ser que eu talvez seja fraca e não estou a merecer
O melhor que Deus um dia tenha reservado para mim
E tudo o que tem me acontecido inevitavelmente lembra você
E a única cousa que ainda me resta é desejar de tudo o fim...

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios