terça-feira, 30 de agosto de 2016

A UNS DEUS DEU VOZ...


CRÔNICA

Quantas vezes olhamos  a vida ao nosso redor e não conseguimos ver as maravilhas que Deus nos presenteia sempre... Eu mesma sou uma dessas pessoas que vê mais o que me entristece, e é o que mais tem ao nosso redor, principalmente em se tratando de animais.
Quantas vezes, tentando admirar as coisas lindas que a natureza nos dá, tenho aquela beleza ofuscada bruscamente pela visão de um cachorrinho ou gato que quando não estão parados com aquele olhar de cortar a alma, estão caminhando em busca de algo para comer, isso me entristece de tal maneira que as lágrimas me vem aos olhos e não as consigo conter.
Sou muito criticada por isso, mas cada um tem uma maneira de ser, não quero dizer com isso que não me afete  o sofrimento e as más situações das crianças de rua, dos adultos e dos idosos também, mas a estes Deus deu  voz para que pudessem se manifestar e pedir auxílio e olha que nem sempre os escutam.
Aos pobres animais lhes restam falar com o olhar, mas nem sempre são compreendidos.
Fiquei a pensar sobre isso, ao constatar que nada somos na realidade, apenas uma vela acesa que vive oscilando, enquanto não surge o vento derradeiro e que não adianta tentarmos protegê-la de um vento mais forte... Ou do vento final.
Muitas coisas tem passado em minha mente nessas últimas horas... Pois num momento julgamos ter uma vida toda pela frente, para logo descobrirmos que a vela que nos representa está mais próxima da última brisa, e que mesmo suavemente, haverá de fazer o seu devido papel...
Então eu penso... E um dia quando me for chegado esse momento, quantos bichinhos eu não mais poderei ajudar... Mas em contrapartida não mais verei o sofrimento de quem nada fez para merecer tanto desamor...



sexta-feira, 26 de agosto de 2016

NÃO FOI ISTO O QUE PENSEI


Não sei exatamente o que acontece... 
Sei apenas que bem vinda já não sou
E isso fere, magoa e muito entristece
Antes era tudo diferente, hoje desbotou

Todos mudam, mas mudasses demais
Antes eras fechado, mas hoje não
Não para a rua, pra esses nunca mais
Hoje parece que me atiras no porão

Quando eu era jovem, era diferente
A preocupação era de fato comigo
Mas o tempo passou e infelizmente
Perdi o que encantava teu sorriso

Outras risos devem ser mais cristalinos
Os muitos assuntos te chamam a atenção
Há muitos anos que devias ter sido límpido
E por certo eu não seria sobras no teu coração

Te aborreces e muito quando tento conversar
Meus assuntos não despertam interesse ou cansam
Opinião já não precisas penso que tens onde buscar
E sempre termino por calar, é que eles a ti inflamam

Vais achar que exagero no que estou a falar
Mas se fosse o contrário o assunto não desprezarias
É só lembrar quando ao telefone algo vou comentar
Tens pressa e vais jantar e eu fico com minha falsa alegria

Não foi isto o que pensei viver ao fim dos meus dias
Mas fazer o quê, ninguém é perfeito bem se vê
Há muito percebi não fazer mais parte da tua alegria
Pena que depois de velha e doente, isso fosses perceber

Mas não acredito que irei atrapalhar muito mais tempo
Apenas eu sinto que de certa forma deixasse de viver
Minha vida pouco a pouco se esvai como plumas ao vento
Só espero que ainda  haja tempo ao menos para você





quarta-feira, 24 de agosto de 2016

EU TE AMO


Hoje eu estava pensativa, refletindo no meu ontem
E sequer podia imaginar que algo tão simples e puro
Tivesse o dom de me transportar... Me transformar
E sou muito sincera ao falar isto... Não minto, juro
Transformei-me numa criança, e transportei como tal
Senti um mundo diferente, colorido, um mundo colossal
Foi na verdade algo ímpar...Realmente até hoje sem igual
Esqueci nesse momento a existência de um mundo impuro

Foi algo meio mágico,foi o soprar do passado tão presente
Um desses momentos que por mais fugaz que venha a ser
Toca fundo na alma... Liberta os pensamentos de imediato
Reavivando as marcas que um dia ficou. E foi quando você
Surgiu na minha vida tão rápido, porém bem mais marcante
Onde todos os meus pensamentos retornam de forma vibrante
Me deixando eufórica em meio aos acontecimentos inebriantes
Que me marcaram quando aconteceu na minha vida o conhecer

Quantos sonhos desfeitos... Quantas promessas jogadas fora
Quantos desencontros... Quanto arrebatamento enganoso...
Mas tudo se perdeu ante este intenso e tão breve momento
E como num filme vejo tudo feito de jeito simples e harmonioso
Assim o passado à minha porta bateu, e eu nem queria acreditar
Foi simples, belo e inesquecível, por instantes eu quis duvidar
Mas foi humilde, preciso e de mais nada eu podia desacreditar
O teu "EU TE AMO" pôs por terra todo pensamento abrolhoso.

UM BRADO DE REVOLTA


CRÔNICA

As vezes passamos uma grande parte da vida nos enganando, Achamos que somos amadas mesmo contra a nossa vontade (ao sentir tantas coisas fora do lugar),  fechamos os olhos na louca tentativa de nos enganarmos... Mas o tempo passa...
E cruelmente percebemos que nada é do que julgamos ter sido, (não sei se por ser sensível demais) vamos notando  as coisas soltas, perdidas, e tentamos de alguma forma colocar no lugar e inúmeras vezes criamos um novo lugar, mas os sentimentos são antigos, as situações são de ontem. Talvez se agíssemos com sabedoria, veríamos que nada é de hoje e jamais será de um provável amanhã, tudo está perdido, e é um erro não perceber, ou melhor fechar os olhos na inútil tentativa de que é apenas um mal sonho, e que este muito em breve não passará de um pesadelo.
O peso dos anos afeta principalmente a memória... As boas lembranças se confundem pois não passam de cenas desbotadas pelos anos, ou amargamente apagadas.
Hoje, olhei para trás e o pouco que vislumbrei estava coberto pela poeira do tempo... O riso tantas vezes cristalino foi se formando num cruel esgar. 
Devo ter sido muito tola... Aliás, acredito que sempre fui... As decepções e as amarguras fui armazenando num mundo só meu, não queria e nunca quis que respingasse em quem quer que seja, mas numa estranha ironia, todo o mal recebido parece tomar forma e gritar na minha cara que eu já perdi, que na verdade eu nunca ganhei, só ilusões e estas sempre são insinceras...
Hoje friamente percebi que sempre estive no lugar errado e nunca tive forças para sair... Acomodei-me no que me chegou, sem saber que na realidade nada era de meu.
Mas já há muito que venho percebendo que eu nunca vivi, não de fato. Pena que o tempo passou e com ele a minha chance de viver realmente.
Nunca encontrarei um culpado que não seja eu mesma, pois quando eu devia ter falado, calei e depois os gritos se fizeram silenciosos e mais nada me restou, muitas vezes catei os cacos da minha dignidade numa louca tentativa de dar o meu grito de liberdade, mas este apenas ecoou e até hoje ecoa como um soluçar de dor... Um brado de revolta.
A máscara do meu fingimento impregnou todo meu ser, já não faz sentido pensar, querer ou falar, tudo se perdeu nas asas cruéis do tudo que deixou de ser... Restando apenas as mãos imaginárias que aprisionaram meu grito...

terça-feira, 9 de agosto de 2016

EU ABOMINO




A cada dia que passa bem mais eu percebo
De como há pessoas que gostam de julgar
Talvez por isso eu ainda tenha tanto medo
E sempre evito de estranhos por amigos aceitar

As vezes são pessoas frívolas e no meu entender
Bem mais que isso... Mal caráter, essa é a  verdade
Julguem os outros por seu modo sujo e fútil de viver
E esse tal de Mylord devia se envergonhar da idade

Não dou ousadia e sequer isso me passa pela mente 
Pois entendo que o meu direito não o dou a ninguém
Mas surge um ser agindo como um decrépito doente
Se achando no direito de desrespeitar-me indo mais além

Maldito sejas... Asqueroso, torpe, ignóbil e vil criatura
Que em maldita hora se fez amigo (mas só se for do diabo)
Que desconhece a palavra respeito e até mesmo amizade pura
Mas um verme como você... Eu abomino, ou melhor, esmago


domingo, 7 de agosto de 2016

TUA VOZ... AH! ESSA TUA VOZ...


Nessa tarde tão monótona, eu não esperava
Receber uma ligação tua, assim de repente
Quase me pus à descoberto, a emoção exalava
Mas eu precisava me conter... Infelizmente...

Ouvir tua voz me transportou para outros tempos
Onde com tudo eu sonhava e de nada me apercebia
E inexplicavelmente embalei-me num suave vento
Que mais parecia ser o Éolo... Soprando só alegrias

Ah! nem imaginas como foi maravilhoso te ouvir
Deixaste a minha alma mais uma vez encantada
Meu semblante sem deixar transparecer... A sorrir
Pois sentia o coração em festa, fiquei deslumbrada

Tua voz,,, Ah! essa tua voz... De uma genuína sedução
Desnorteia meus sentidos, me faz sentir viva outra vez
Foi durante tanto tempo alimento para meu tolo coração
Onde eu percebi que mais nada me restava, só insensatez

Hoje, quando mais nada dessa nossa história restou
Sinto que através do tempo algo insiste em perdurar
São as contagiantes lembranças desse pacto de amor
Que em outra vida, esse amor ainda haverá de retornar



quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Amigo virtual


À Aderval Pimenta Duarte

É realmente muito bom sentir-se as vezes admirada
Já que nessa vida muito pouco tem me alegrado
Mas de repente você me surge, assim, do nada
E com a maior simplicidade tornou-se um laço

Sorri para mim mesma diante da mensagem que li
A essas alturas da vida, terminei por me encantar
Pois você uma pessoa amável, gentil me fez sentir
Que um amigo sincero e leal, pode sim nos alegrar

De você Aderval, nem por um momento sequer
Houve desrespeito, ousadia, ou algo desse tipo
O que me deixou extasiada e de mim também requer
A certeza que nem tudo que pensamos pode ser mito

Obrigada menino por esse tão lindo e simples carinho
Que transborda nessas tuas frases de pura admiração
Alguns amigos também passaram pelo meu caminho
Mas pouquíssimos conseguiram tocar meu coração

Muito pouco da vida recebi que me desse prazer
Mas nessa parcela do muito pouco está um alguém
Que com seu jeito simples e carinhoso me faz ver
Que com certeza, admiração não precisa ir mais além





Na minha longa caminhada, já dou sinais de enfado
E olhando para traz percebo que quase nada restou
Das efêmeras alegrias e dos sonhos não realizados
Mas foram esses sonhos que a minha vida transformou

Por anos à fio, sempre brincando de tentar ser feliz
Mas na realidade o destino em nada mesmo me ajudou
Pois não acredito que permitir o surgir do que nunca quis
Faça desse destino bondade já que apenas busquei o amor

Fui pela vida tão iludida... Eu diria enganada sem piedade
Nunca busquei um culpado, pois sei que não o encontraria
Todas as minha experiências foram nas fases da minha idade
Só sinto de nenhuma ter me restado apenas o encanto e a alegria

A dor da saudade é muito cruel, mas o esquecimento é bem pior
Na saudade se chora por todas as alegrias que por nós passou
Por todos os encantos que um dia a nossa vida fez melhor
Mas a dor cruel do esquecimento nos mostra que só um amou

A tarde da minha existência já desponta e logo, logo declina
Não mais terei como adiar o inevitável, pois que seja assim
Quem sabe terei como prêmio para este dia uma fina neblina
E não precisarei mais fugir, afinal eu já esperava por esse fim






 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios