quarta-feira, 3 de agosto de 2016



Na minha longa caminhada, já dou sinais de enfado
E olhando para traz percebo que quase nada restou
Das efêmeras alegrias e dos sonhos não realizados
Mas foram esses sonhos que a minha vida transformou

Por anos à fio, sempre brincando de tentar ser feliz
Mas na realidade o destino em nada mesmo me ajudou
Pois não acredito que permitir o surgir do que nunca quis
Faça desse destino bondade já que apenas busquei o amor

Fui pela vida tão iludida... Eu diria enganada sem piedade
Nunca busquei um culpado, pois sei que não o encontraria
Todas as minha experiências foram nas fases da minha idade
Só sinto de nenhuma ter me restado apenas o encanto e a alegria

A dor da saudade é muito cruel, mas o esquecimento é bem pior
Na saudade se chora por todas as alegrias que por nós passou
Por todos os encantos que um dia a nossa vida fez melhor
Mas a dor cruel do esquecimento nos mostra que só um amou

A tarde da minha existência já desponta e logo, logo declina
Não mais terei como adiar o inevitável, pois que seja assim
Quem sabe terei como prêmio para este dia uma fina neblina
E não precisarei mais fugir, afinal eu já esperava por esse fim






Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios