terça-feira, 14 de junho de 2016

QUANTAS NOITES TEREI


Hoje eu queria escrever algo que fosse bonito
Que tivesse as cores do amor e da esperança
Eu queria fazer algo perfeito... Mas eu desisto
Pois tudo que sou agora é uma perdida criança

As lágrimas não correm porque elas  já secaram
Mas na verdade secaram foram meus sentimentos
Pois dia após dia os vi definharem, estes murcharam
Diante das  covardias, gerando revoltas e ressentimentos

Eu queria muito sorrir sem medo de no espelho  me olhar 
Rasgar a minha alma e tirar de dentro toda minha tristeza
Encarar a vida com altivez e todos os meus medos espantar 
Sentir que as dúvidas se dissiparam só restando minhas certezas

Mas não é isso o que tenho para hoje... Para esse momento
A dor que mais uma vez entranhou na minha alma é cruel
Tem ferido como adaga em chamas os meus pensamentos
Deixando em mim mais uma vez o gosto amargo do fel

Quantas noites ainda terei para esperar ver o dia amanhecer
Quanto ainda suportará de tristeza e desespero meu coração?
Não sei... E tenho a certeza que ninguém saberá me responder
Pois nem eu mesma sei o quanto hei de amargar minha desilusão

Estes últimos dias tem sido de decepções e grandes amarguras
E bem sei que não terei como evitar tando dano a minha alma
Mais uma vez pago o preço por tua falta de caráter, e as agruras
Revestem meu ser distando mais uma vez do meu eu toda calma


Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios