sábado, 11 de junho de 2016

O TUDO QUE TENHO


Meu Deus, o que foi que fiz da minha vida?
Os anos se passaram, se desfizeram meus sonhos
As lágrimas se fizeram minhas companheiras
E já não fazem sentido esses versos que componho
São tantas lembranças que estão a me matar
Foram tantos os risos forçados , a espocar
Já não há lagrimas para meu rosto lavar
Que destino triste, este sim foi medonho

Olhando para dentro de mim só tristeza encontro
Em derredor muito pouco me traz real alegria
Quantas noites perdidas com a alma a vagar
Hoje o tudo que tenho se resume as muitas agonias
Esse tem sido meu cruel e implacável degredo
Minha alma sucumbiu ante os profundos segredos
Já nada mais resta... Nem sequer um pouco de medo
Tudo se apagou, tudo se perdeu em falsas euforias

Então eu me pergunto o que faço meu Deus agora
O fim há muito para mim principiou cruel e feroz
Não vejo motivos que possa salvar minha razão
E como tentáculos uma espécie de loucura atroz
Me asfixia deixando um acre sabor na minha boca
Um frio tenebroso transpassa as minhas roupas
E ouço um débil gemido numa voz quase rouca
Talvez por só ter existido um eu... Nunca um nós




Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios