sábado, 3 de outubro de 2009

Sempre Fingindo


Quase todos os versos que escrevo
Traz nas entrelinhas uma certa tristeza
Não é exatamente isso o que eu almejo
Mas é isso o que eu sinto com certeza

Nas frases pode faltar harmonia
Pois nem sempre busco aprimorar
Mas o fato de não ter neles alegria
Não significa que vivo a chorar

Mas é de tristezas em tristezas
Que ainda consigo um pouco sorrir
Não importa se nessa vida há rudezas
Pois nos meus versos não consigo fingir

E tem sido assim a minha existência
Muitas vezes no rosto um riso se abrindo
Mas a minha alma tem por triste permanência
De viver a agonia de estar sempre fingindo

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios