segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

QUANDO EU TE CONHECI


Lutei contra meus princípios pesando as mágoas
Mas lutar contra tudo e todos foi em vão, percebi
E por debaixo da ponte da vida rolaria muitas águas
Mas tudo em mim mudou quando eu te conheci

Os sonhos povoavam minha mente em desalinho
Acreditei em ti como parte das minha verdades
Nada mudaria meu coração ao londo desse caminho
Pois eu agora era alegria e esperanças de real felicidade

Mas de súbito... Da mesma forma que chegaste a mim
Também te fosses sem nem sequer olhar para trás
Inevitavelmente surgiu o que eu mais temia... O fim
Só que dessa vez a dor foi mais forte... Doeu bem mais

Não sei se mereci da vida esse desenlace afinal
Pois nem mesmo sei o que fato aconteceu
Só sei que foi muito cruel e me faz bastante mal
O que pude entender na verdade? Minha alma morreu

Hoje não existe em mim nenhum tipo de arrependimento
Apenas percebo ao mergulhar no mais íntimo do meu ser
Que minha vida era triste, mas não havia esse sofrimento
Que na realidade me foi presenteado cruelmente por você

Já não encontro razões para que eu continue de fato
A minha caminhada sempre tão cheia de espinhos
Embora para mim sejam indiferentes até os abraços
Que vez por outra vão surgindo em meu caminho

E de tudo isso apenas tirei uma grande e fria lição
E assim, uma firme couraça de indiferença ergui
E coloquei sem muito trabalho, no lugar do coração
Uma pedra, e assim enterrei tudo de bom que não vivi



Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios