segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

AQUELE MOMENTO


Quantas vezes me senti mortalmente cansada
De brigar com o tempo e com tudo que nele há
Foram tantas as minhas dolorosas cabeçadas
Mas nunca encontrei o que me faria de fato mudar

Foram longas e sempre cansativas as galgadas
Que pela vida afora me vi obrigada a dar
E tantas foram as injustiças a mim praticadas
E mesmo assim nunca desisti de continuar

Os anos foram se passando e tudo permaneceu igual
Nada, ao menos dentro de mim... de fato mudou
As muitas angústias se somavam, sempre desigual
Mas aquele momento por mim esperado nunca chegou

E assim eu continuei dia após dia... Ano após ano
E o novo sempre se fazia velho e ultrapassado
As alegrias eram raríssimas no meu cotidiano
E assim o desgosto continuava sempre ao meu lado

E nessa luta desigual e sempre crescente
Vi o por do sol da minha vida despontar
E fui mergulhando na minha solidão latente
Uma solidão que não me permitia mais sonhar

E sentindo nesse por do sol tão inclemente
Que ameçava chegar sem chances pra eu viver
Uma história que fosse da vida um presente
E mesmo assim, o destino me trouxe você

E em poucos dias já nem lembrava quem eu era
E a minha vida aos poucos tomou novo sabor
Me surgiu o momento que a vida toda se espera
Aquele momento que se transforma em amor

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios