domingo, 29 de janeiro de 2012

Diante Das Cicatrizes


Eu sei que hoje finges que não existo
Só não sei a quem desejas enganar
Pois a história que vivemos... Insisto
Da mente jamais se consegue apagar

E não importa o tempo que tenha passado
Nem que outras histórias tenhamos escrito
Um amor como foi o nosso, tudo deixa gravado
Pois nem mesmo o tempo o faria ser esquecido

Talvez até te envergonhes ao olhares para trás
E relembrares certas atitudes por ti cometidas
Essas eu acredito que nem mesmo o tempo desfaz
Mas tudo faz parte do amadurecimento na vida

Portanto não queiras fingir tal esquecimento
Por mais difícil que para você possa ter sido
Já pra eu, olvidar seria apenas um breve alheamento
Que só faria me lembrar tudo que nos foi permitido

No entanto...Esquecer, pra você é apenas dissimular
O que na verdade a tua alma tem a fogo gravado
Fingir que se é feliz acho até que seja fraquejar
Diante de uma consciência com outro perfil talhado

Mas de que adianta sacudir a tua consciência agora
Se há muito teu espírito fingido se acha morto
Eu apenas queria te lembrar que fingir nessa hora
Teus sentimentos não sucumbirão a hora do sol posto

Portanto... Mentes, finges e zombas até muito bem
Só não consegues enganar a ti próprio bem se vê
Pois teu íntimo geme, chora e se incomoda também
Diante das cicatrizes que tanto marcou, a mim e a você

2 comentários:

Zé Carlos disse...

Gil, que sorte a minha, antes de me responder, descobri seu Blog lindo. Vc é uma grande poeta e espero contar com a sua presença sempre nos meus três pois é só romantismo e percebi que vc é romântica.
Ah! e vi tb que é linda.
Um beijo grande do Zé Carlos

Zé Carlos disse...

Bom dia menina

Que bom ter gostado da foto ao por do sol, você ficou linda nela.

Que tenha um dia lindo de sol na beira desta praia maravilhosa do Recife.

Beijão do Zé Carlos

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios