quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Viúva De Marido Vivo


Categoria: Crônica

E a Nice se remoia... As vezes de ciúmes, as vezes de necessidades,mas vivia a se remoer. Seu marido, o Paulo,não mais se fiava na condição de macho, embora não fosse tão velho (62 anos), mas jurava de pé junto(como se fosse defunto, e olha que já estava mesmo pra defunto), que não havia mulher nenhuma na vida dele (e ele tava certo, pois nem a Nice era mulher na sua vida (também pudera, ninguém manda casar com mulher muito mais nova).
E o tempo vai passando... O coitado do Paulo, (o defunto vivo, como ela dizia) continuava apagado, e já nem insistia mais,não tinha mesmo jeito. O pobre infeliz já nem sabia mais como fazer o que devia de ser feito. E a Nice continua a se remoer... Até que um dia ela mesma resolve cuidar da situação. Se emperiquita toda, põe seu perfume mais cheiroso (para quem não tem gosto refinado, aliás nem precisa de tanto, basta ter um pouco de bom gosto), e sai a cantarolar... Afinal ela podia... Claro que podia, ainda era jovem e... Viúva... Viúva sim... Ainda que fosse de marido vivo.

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios