domingo, 11 de setembro de 2011

Vida Destroçada


Quantas vezes, cansada de tudo me aconchego
Nos tristes e frios braços da minha solidão
Para sentir um misto de tristeza e medo
Ao perceber toda a fragilidade do meu coração

E mergulho na indiferença desse abraço
Sentindo que em nada ele pode me ajudar
E sinto aos poucos me asfixiar nesse laço
Que como tentáculos parecem me aprisionar

Já não há mais brilho em meu olhar
Há muito este perdeu a beleza e o calor
A emoção já não consegue me motivar
Pois em minha vida é forte o desamor

E assim, pouco a pouco consigo perceber
O grande tumulto formado em minha vida
É que o destino levou pra sempre você
Só me restando as lembranças incontidas

E as lágrimas ao correrem livremente
Lavam a minha alma já tão amargurada
Eu sei que nos perdemos, infelizmente
E para mim só restou uma vida destroçada

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios