quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Desafio


Categoria: Contos

Uma mulher, já tendo sofrido tudo o que julgava suportar, vê-se de repente prostrada ao chão e entre soluços implora a Deus uma ajuda.
Talvez por inexperiência, egoísmo ou mesmo ignorância pede ajuda com altivez ao invés de pedir com humildade. Estando em situação difícil,achou ela que Deus tinha a obrigação de ajuda-la, e diz-lhe em desespero que Ele precisa ouvi-la,pois a mesma se encontra só, com muitos filhos pequenos para criar e não quer separa-los,como não acha justo que Deus os venha separar clama a Ele que os conserve unidos.
Dias depois aquela mulher entra no quarto dos filhos. O dia está muito bonito, ela vai desperta-los, para que comecem a batalha logo cedo, para ajudar no próprio sustento. Ao olhar para as crianças, elas as compara com a radiosa e colorida aurora que tanto contrasta com a palidez de seus magérrimos filhos.
Mesmo com a revolta dentro de si, ela se aproxima do leito onde estão os dois primeiros filhos e sem acreditar no que acaba de descobrir,corre a olhar os outros filhos e estarrecida constata que todos estão mortos.Ao se dar conta da cruel tragédia que acaba de desabar sobre ela, sente-se traída e com ódio dirigi-se a Deus, põe-se a esbravejar e blasfemando contra Ele,por achar que Deus lhe havia feito uma maldade,ao invés de atender as suas preces. E no auge de sua aflição,não percebe que Deus havia atendido ao seu apelo.Não da forma que ela desejava,mas sim do jeito que ela havia pedido .Inconformada a mulher se agarra aos corpos inertes dos filhos e jura perante eles vingança.
Eu os amava meus filhos, eu só não queria separa-los.E continua, sem se dar conta de que Deus os havia unido de forma que jamais se separariam.
Meses depois, daquela mulher restava apenas o espectro. Sentimentos ela já não os tinha... Apenas ódio habitava seu coração. Desprezava tudo o que havia na natureza,se rebelava contra todos. Nunca dava uma ajuda, nem tão pouco a aceitava. Vivia como um animal acuado. Tornou-se cruel e amarga e sua revolta maior era que precisava continuar sobrevivendo pra ter um dia direito a sua vingança. A maldade tomara conta daquilo que antes fora um coração. Sua mente já não raciocinava.
Um dia, quando não mais havia vestígios do que fora um dia no passado e guiada tão somente pelo ódio e pelo desejo de destruição, ela se põe em pé e hipocritamente em seu falso e ignominioso respeito dirige-se a Deus em altos brados.
-Deus! Tu que tens tanto poder, que mandas e desmandas,que maravilhas constróis e se acha no direito de destruí-las,vou nesse momento lançar-te um desafio...Já fui um dia, uma mulher cheia de amor,de fé e esperanças, e na minha infinita ignorância acreditei que eras capaz de me ajudar. Eu sempre me guiei pelas Tuas leis e as respeitei, e em troca me atiraste a infelicidade, destruindo o ser que havia em mim, me transformando no oprobrioso monstro que hoje sou. Meses já se passaram desde aquele maldito dia em que tive a idéia de Te implorar ajuda,e tudo o que conseguiste foi me transformar no mais ínfimo dos seres. Mas hoje, levanto-me da lama em que por Tua causa me afundei e com toda a superioridade que consegui juntar das sobras do farrapo em que me transformei, lanço-Te um desafio... Pois se me transformei no que hoje sou, foi porque assim me impelistes a essa transformação, mas a partir desse momento vou mostrar-lhe que eu também tenho poder, embora o tenha adquirido do pior dos sentimentos. Dure anos essa luta, mas dela eu sairei vitoriosa, e Te mostrarei que ressurgindo do nada, vou lutar e haverei de vence-Lo.
Anos se passaram e essa mulher sempre lembrava do desafio que um dia ousara fazer a Deus. Ela se atrevera a enfrentar a força maior do infinito,mas não se arrependia.
- Um dia haverei de reencontrar o amor, dele poderei provar a Deus que apesar de todo mal que Ele me fez, eu ainda conseguirei vencer.
Não se passa muito tempo esta mulher encontra uma criança abandonada. Algo desperta em seu coração.Ela toma a criança nos braços e misteriosamente sente uma grande paz, uma imensa onda de amor envolve-a e ela se sente feliz como há anos não acontecia. Pela primeira vez, após muito tempo sente que consegui sorrir com a alma e não apenas com os lábios. Sente um calor gostoso lhe invadindo o corpo e percebe emanar daquele pequeno ser, e abraça-o, não apenas com os braços, mas também com o coração.
E do dia pra noite, ela se vê transformada em outra mulher. Torna-se dócil, gentil e carinhosa, e os meses que se seguem encontra um nova mulher. Batalhadora, lutando incansavelmente para dar conforto aquela criança que se tornara motivo maior de sua atual existência. Após alguns anos nessa nova vida, ela relembra o desafio que fizera a Deus. E achando que havia chegado o momento da cobrança, ela ergue os olhos para o céu e diz:
-Quem hoje te fala oh! Deus, não é a mulher em que me transformei, quem se dirige a Vós nesse momento é aquela que um dia Te desafiou. Eu jurei que iria mudar e Tu não conseguirias me impedir.Eu Te venci Deus, eu Te venci.
À noite, já tendo esquecido o seu desabafo,ele olha para aquela pequena criança que um dia encontrara e que mudara completamente a sua vida, fita-a adormecida e murmura:
- Perdoa-me meu filho se você tornou-se meu instrumento de vitória sobre o Senhor. Ao lhe encontrar eu não havia pensado nisso.Com o passar dos anos foi que me lembrei do desafio feito a Deus. Hoje sinto-me feliz, você foi realmente a minha vitória sobre Deus. Naquela noite ela dorme tranqüila. Ao amanhecer ela se dirige ao leito do filho que havia se tornado a razão da sua vida. Ele dorme plácido. Ela abaixa-se e o beija na testa, e seu gesto é retribuído com a frieza da morte. Então ela compreende o fatal golpe que o destino mais uma vez está a lhe impingir. Aquele que se tornara o seu tudo, está morto, morrera enquanto dormia. Aniquilada ela levanta os olhos para o céu e desabafa:
- Eu devia saber que jamais O venceria, És vingativo e quiseste me mostrar o Teu poder. Quando eu julgava Tê-lo vencido,só estavas me mostrando que maior que Ti só mesmo o teu amor.
Vangloriei-me de uma vitória que na verdade não passava de uma derrota. tive que sofrer muito, mas valeu a pena, pois só assim consegui ver o que querias me mostrar. Perdão Senhor! Perdão pela minha prepotência,pela minha ignorância e sobretudo por não conseguir distinguir que em meio a tanto sofrimento,só existia amor da tua parte. Agora eu sei que de ti só temos o que merecemos e que Tu És o sinônimo de amor, compreensão e perdão. E em nome da tua infinita misericórdia me perdoa Senhor, por não ter conseguido ser nada além de uma simples mortal cheia de pecados.

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios