sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Tempo Perdido


Uma tristeza amarga e sempre crescente
Me atordoa parecendo me asfixiar
E aquela alegria dantes tão frequente
Desapareceu como fumaça, se esvaiu no ar

E mais uma vez as lágrimas quentes
Que percebo já não mais me alivia
Apenas regam o que vai na minha mente
E são sentimentos que eu não queria

E controlar tanta tristeza já não consigo
Apenas deixo meu semblante a divagar
E se tanto sofrimento eu não apazíguo
Então só me resta mesmo é chorar

E mesmo sabendo que tudo isto
Muito mal me tem reservado
Mesmo assim eu ainda insisto
Em deixar tudo na alma guardado

E amanhã talvez já seja tão tarde
Para tentar esse tempo perdido ganhar
E digo sem querer fazer nenhum alarde
Que muito mais tempo terás que esperar

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios