quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

E TENHO POR CERTO


Existem na vida certos momentos
Em que nos pomos a meditar
Por que será que ao soprar do vento
Algum sentimento vemos despertar?

Falo desses ventos sempre contrários
Que parece varrer de nós toda calma
E não me refiro a nada imaginário
Falo do que se fez sentir a minha alma

São ventos que trazem consigo tempestades
Dessas que nos assustam só em pensar
E tenho por certo, e sem nenhum alarde
Que alguma tempestade está a desabar

Meu coração estremece dentro do peito
E ao longe um brado colérico se fez ouvir
Meus olhos perscrutam o horizonte com jeito
Pois não adiante temer nem mesmo querer fugir

Abro os braços cansados como tantas vezes o fiz
E sinto as lágrimas que caem em profusão
E mesmo sabendo que nada disso eu um dia quis
Mas sinto que quem sofre de fato é  o meu coração

Talvez haja tempo pra tudo isso eu ainda compreender
E quanto aos meus segredos sempre os tive guardados
E pague eu o preço que pagar... Mas VIDA se for por você
Pagarei... E não hesitarei todas as vezes que me for cobrado




QUANDO EU MORRER


O tempo tem realmente passado muito veloz
E o final da minha jornada já se aproxima
Penso no que ansiosa ainda espero... Um nós
Mas creio que isso é a vida quem determina

Grandes momentos em mim já se fez
Não importando se fora
m bons ou ruins
Poucas vezes fui guiada pela sensatez
E nunca de fato parei pra pensar em mim

Bem sei... Quando eu morrer nada levarei
E o melhor de mim em pó se transformará
E eu falo das muitas lembranças que guardei
É o que tenho na alma, mas comigo morrerá

E nessa caminhada em muitas pedras tropecei
E todas elas me feriram sem qualquer compaixão
Porém a maior de todas as dores foi quando tentei
Conservar um pouco de amor em meu coração

Mas bem sei que nada disso terá de fato importância
Pois quando eu morrer tudo ficará igual, dada diferente
O mundo continuará como está, dominado pela ganância
E o famoso amor ao próximo... Será talvez... Inexistente



domingo, 22 de fevereiro de 2015

POR AMOR NUNCA HESITEI


Hoje, desde o amanhecer estou bastante inquieta
É que pela madrugada lembranças me assaltaram
E como num filme pude ver as muitas situações
Que sem preâmbulos minha alma mutilaram
E foram momentos difíceis... Que pude relembrar
Acredito até que eu não sinta vontade de falar
Mas lembro em todas as vezes que me deixei enganar
E são lembranças que infelizmente não se apagaram
Olhando para trás revejo as inúmeras ocasiões
Que busquei dar apoio a quem nunca mereceu
Mas também confesso que faria tudo outra vez
Pois acredito que nessa história alguém perdeu
E confesso... Eu nada perdi, pois minha alegria
Ainda consiste em tentar suavizar as agonias
De muitos que se perdem por terem a alma fria
E não conseguem de fato se encontrar com Deus
Foram tantas as vezes que tentei fazer-me forte
E por amor ao meu semelhante nunca hesitei
Tantas palavras me feriram como látegos cruéis
Mas de amar ao meu próximo... Isso nunca deixei
E já não importa se até hoje me sinto humilhada
Por todas as vezes que fui preterida e desacreditada
Que fui usada quando eu acreditei estar sendo amada
E mesmo não sendo perfeita... Mas verdadeiramente amei
Mas nessa nossa caminhada muitas serão as passadas
Onde teremos os ombros cansados e os pés feridos
Mas acredito que se não soubermos amar e respeitar
Como poderemos dizer que ainda temos fiéis amigos?
Ser amado e respeitado é bom... Mas devo lhes dizer
Que não ver o que trás a nossa mão oculta nos faz ver
O verdadeiro exemplo de cristão e que nada teremos a perder
Se apenas seguirmos o que tão bem nos ensinou Jesus Cristo

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

POR ESSA VIDA


E foram pelas obscuras esquinas da vida
Que pouco a pouco me perdi sem perceber
Muitas horas cansadas, infelizes e perdidas
Triste dias, meses e anos...Eu não tinha você
Hoje bem mais cansada e meio perdida
Relutando em não mais querer perder
Os afagos imaginários dessa mão amiga
Que o destino me trouxe por VIDA... Você
Num destino nem sempre bem-vindo por mim
Deixei que ditassem regras para o meu viver
E sempre tropeçando na minha rebeldia, enfim
Eu sentia que me faltava algo, hoje eu sei... Você
Inúmeras tentativas de ser feliz... E foram em vão
Acredito que sempre busquei de forma errada
Deixei-me ser guiada pelo tonto do meu coração
Em meio as esperanças perdidas, chegasses do nada
Se multiplicam os encontros mais que desencontrados
E as vezes sinto minhas esperanças fugindo aos poucos
Mas VIDA recua embora permaneça taciturno... Calado
E fala em silêncio... E eu vou sufocando meus gritos roucos
Da vida o que espero é pouco... Só quero essa VIDA
Que aos poucos a mim se achegou sem eu sequer perceber
Por essa VIDA anseio e quase sempre de forma enternecida
Mas é o tudo que a vida tem me prometido através de você...

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

COMO SE FOSSE UM NADA


Nos diz a história que nem mesmo o próprio Cristo
Se livrou de perversos e da mais vil das traições
Que dirá nós... Simples mortais as vezes tão ferido
Por criaturas que acreditamos serem ricos de emoções
Mas o tempo vai nos mostrando o que não queremos
Que por nenhuma razão acreditamos ser capaz de existir
E aquele por quem um dia algum sacrifício fizemos
Um dia descobrimos ser este a decepção do nosso sentir
E quando menos esperamos um punhal a nos cravar
A traição dolorosa com frieza vemos por fim acontecer
Não falo de traição amorosa, é algo bem difícil de acreditar
Pois falo de valores vendidos... Vencidos... Eu falo de você
Confesso que quase não acredito...Surpreendeu-me teu gesto
Se tantas vezes criticasses o que agora com palavras enobreces
Talvez seja a falta de caráter que hoje vejo tão bem manifesto
É como se ao verme desses vida enquanto a outros empobreces
Onde deixasses a tua honra? O teu trunfo contra os demais
Caiu por terra como se fosse um nada... Um objeto qualquer
Perdoe-me... Julguei que fosses um ser perfeito, e até incapaz
De se vender por tão pouco.Se fosse por amor de uma mulher...


domingo, 8 de fevereiro de 2015

ESTOU PRONTA


Nunca na vida me arrependi do que fiz
Mas sempre do tudo que deixei de fazer
E tenho certeza que não foi o que eu quis
Essa vida de vãs esperas e de desprazer
Nunca me julguei perfeita menos ainda boa
Mas todas as vezes percebi de como fui usada
A maioria são lembranças que muito magoa
Pois quase sempre senti minha boa fé abusada
E assim cansei de "dar murro em ponta de faca"
Parto em luta ferrenha para meu último ideal
Que dure semanas, meses, ainda terei a estaca
Que cravarei para sempre num desenlace triunfal
Não terei mais noites mal dormidas ou cansaço
Nem tão pouco contra o inevitável eu lutarei
E essa minha vida de poucos ou muitos embaraços
Tenho por certo que sobre a tumba fria ainda deixarei
As lágrimas que foram derramadas em vão
Foram tantas e eu nunca as consegui reter
Mas serviram para para mostrar ao meu coração
Que você foi mais um que um dia julguei conhecer
Mágoas? na verdade não as guardo, embora já guardei
Tenho hoje a alma leve, embora a vida desbotada,sem cor
Foram tantas pessoas que me amaram e poucas eu amei
Da vida levei muitas pancadas,mas veio de você a maior dor
Estou pronta para a grande viagem por mim tão desejada
Se dúvidas eu tinha, hoje realmente mais nenhuma me resta
Foi bom conhecer cada um de vocês nessa minha jornada
Mas pra mim a estrada tem muitos desníveis, já não presta
Sei que a minha espera muito longa não mais se fará
Pois loucos se bem procurados os encontramos
Dos meus escritos por certo alguém ainda se lembrará
Mas o descanso se encontra quando bem o buscamos
 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios