sábado, 28 de março de 2015

À MINHA AMIGA ESQUECIDA


As vezes somos levadas a nos sentirmos verdadeiras princesas, mas com o passar do tempo vamos descobrindo que não passamos na verdade de meros fantoches enlevadas por falsas palavras... Falsos sentimentos, que não passamos de brincadeiras de pessoas levianas e cruéis. Que agem como se fossem donas da verdade, cheios de empáfias e soberbamente miseráveis, Esta foi a conclusão que cheguei após o relato de uma amiga (irei chamá-la de ESQUECIDA)

Vivia feliz com seus amigos a ESQUECIDA
Até que surgiu em sua vida alguém especial
Aos poucos a afastou dos amigos e daquela vida
Onde ela era feliz de forma simples... Bem natural

Seu mundo se resumia naquele estrangeiro
Que aos poucos começou a sufocá-la
Já não era mais tão amigo e companheiro
E já não sobrava-lhe tempo para agradá-la
Mas ela continuava apesar de tudo iludida
E sentia que seu mundo ainda era esse amor
Mas aos poucos foi percebendo estar perdida
Completamente enganada... Surgiu o desamor
E um dia para finalmente seus olhos ela abrir
Descobriu um pouco por mero acaso
Que ele sem nenhuma razão estava a mentir
Isso para ela foi realmente um descaso
Ficou pensativa sem certeza do que fazer
Se falava da descoberta ou calada permanecia
Decidiu dar mais algum tempo para ver
Se de algum modo aquela história resistiria
Mas certo dia ela percebeu não haver solução
Para a situação que ela pra si um dia criou
Então decidiu por em ordem o seu coração
E mesmo sofrendo pôs fim aquele conto de amor
A marca de amadurecimento na alma ficou
A sua vida anterior aos poucos irá retomar
Pagou alto o preço dessa história, um falso amor
Mas serviu para entender que pouco se deve confiar
Essa foi o relato de uma amiga muito querida
Que já há muitos anos desfruto da sua amizade
Mentiras E enganos,sempre abominou ESQUECIDA
Em sua simplicidade nunca ligou para vaidade
Talvez por isso tenha chamado daquele moço a atenção
Mas ele devia ter sentido que com ela não devia brincar
Iludiu-a em nome de um falso amor, de uma pura ilusão
Mas na vida nem de tudo pode-se realmente se furtar
Ainda bem que teve fim... E tão rápido como começou
Um dia ele talvez perceba o grande erro que cometeu
Ofereceu um mundo de sonhos, e também de falso amor
E mesmo tão sofrida,  essa história ela adormeceu...

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios