segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Apenas Um Amor


Estou ouvindo burburinho abafado
Até parece que estão a confabular
Deve ser o destino muito ocupado
Querendo fazer algo pra me agradar

Então a tristeza chorosa se lamenta
Pois ela sabe que sempre foi muito ruim
Nisso a saudade sempre quieta se ausenta
Ela sabe que terá que fazer algo por fim

Enquanto isso a miserável solidão
Tenta em vão continuar na moradia
Mas o meu trisre e sofrido coração
Precisa receber paz e mais alegria

Então a esperança ressurge altaneira
Querendo a qualquer custo se impor
Ela sabe que nunca será a primeira
A desistir de um verdadeiro amor

E nisso a felicidade até muito risonha
Tenta a todos com muita doçura mostrar
Que essa discussão se torna enfadonha
Se algo não conseguirem logo realizar

Então, retorna a eufórica saudade
Procurando a todos fazer entender
Que a maior de todas as maldades
E não permitir um grande amor viver

E sorrateira penetra em meu coração
Que revela num suspiro a sua dor
Então o amor libertado da solidão
Sai cantando feliz do seu torpor

E juntos o amor e também a saudade
Unidos buscam todas as barreiras vencer
Entendendo que não há distancia nem idade
Apenas um grande amor entre eu e você

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios