quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Ainda Serei Lembrada


Estou sozinha em meio a multidão
Sorrindo triste da minha amargura
Que fez moradia em meu coração
Matando dentro de mim toda doçura

Porém hoje se tento sorrir ensaio caretas
Por mais que eu tente,sei não devo insistir
Pois ninguém percebe essa fisionomia grotesca
É que eu sempre a escondo pois vivo a fingir

Sempre finjo que para mim está tudo bem
Que nada do que me acontece pode ser ruim
E se não percebem é porque não há ninguém
Que preste verdadeiramente atenção em mim

E cada lágrima que vivo sempre a esconder
Tentando num falso sorriso alegria demonstrar
Para mim o que dói mais, é por ninguém perceber
Do que mesmo essa dor que vive a me machucar

Um dia talvez percebam o que hoje falo
E o que sempre tentei de algum jeito vencer
Mas hoje vencida por tanta dor me calo
E sei que me entenderão depois que eu morrer

Aí já não fará diferença, e nenhum sentido
Querer entender o que nunca conseguiram
Para mim já não importa,pois apenas comigo
Levarei os aplausos que nunca explodiram

E levarei para sempre na alma, gravada
Cada palavra que contra mim foi desferida
Mesmo assim eu sei que ainda serei lembrada
Por cada situação que por mim foi vivida

Muitos dirão que mais nada há a fazer
E com saudades, alguns de mim se lembrarão
Mas o que será que dirá aos outros, você
Ao sentires que libertei-me afinal da solidão

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios