domingo, 14 de junho de 2015

MEU CORAÇÃO RESPONDE


Toc Toc
-Quem é?
- Eu sou o amor... Posso entrar?
-Não... Não mais...
-Mas por quê?

Certa vez chegaste à mim e eu ingênua abri minhas portas  acreditando que eras o que faltava para eu ser feliz... Mas tu chegaste na forma de um jovem inteligente e bastante amável. Deixei que entrasses e fizesses morada, sem imaginar que o preço que me custaria acreditar em ti fosse tão alto. E eu paguei até  a última moeda, coloquei-te pra fora da minha vida e encerrei as portas durante décadas.
Os anos foram se passando... Amargos, cruéis e sem esperanças, e mais uma vez você voltou a bater em minha porta... Com insistência...Com bem mais sagacidade.
Relutei, as cicatrizes ainda me pareciam profundas e te fizeste ousado e ao mesmo tempo inocente. E em semanas os males guardados em minha alma foram definhando... Foram tomando o rumo do passado, lugar onde sempre deveria ter ficado.
Mas desta vez foi diferente, eu me encantei... Me apaixonei pelo provável... Mas não era amor, eras a mente bendita que Deus usava pra me tirar daquela existência mesquinha... Sem amor... Sem cor... em sentido... o trabalho foi feito com perfeição... Alí morria um sentimento doente... Ali jazia na verdade a minha obsessão.
Coração restaurado... Aquele sentimento nobre, se foi e até hoje não sei que sentimento realmente foi esse. Acredito que senti extrema admiração e o outro lado paixão. Mas este sentimento se foi pra sempre... Uma viagem sem volta... A luz que estava a clarear meus dias se apagava...
Mais uma vez fechei o coração... Fechei para qualquer sentimento que pudesse me machucar.
Uma vez amor, chegaste e com batidas suaves em meu coração, adormeceste a criança que ainda brincava pois eu era quase criança... Te aceitei, e acredito ter sido um grande erro, não o maior, pois este ainda haveria de acontecer.
Poucos anos depois tu voltaste amor... E desta vez mais experiente, mais inteligente, mais ousado. Chegaste aos poucos, e com suavidade me fizeste romper os lacres que eu tão bem usara para me proteger de uma possível investida tua. E como foste audacioso... Com tua experiência me transformaste, tornei-me carente, de alma atrevida e ao mesmo tempo ingênua...
Eu, pobre coração já tão marcado e machucado pela vida se rendeu ao teu fascínio e tu amor, foste um louco... Um insano que mais uma vez acorrentou-me ao sofrimento e ao desgosto... Foste na verdade apenas uma ilusão, e as ilusões sempre são insinceras...
Muitas semanas de dor, sofrimento e orgulho ferido... Mas consegui trancar a minha porta e desta vez para sempre, não tentes me iludir, perdes teu tempo... Tempo é tudo o que eu não tenho... Nem preciso...

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios