quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

NO DERRADEIRO MOMENTO


Eu queria ao menos uma estrela alcançar
E nela um nome em letras graúdas escrever
Esse nome que na minha mente vive a vaguear
E que me acompanha até no meu adormecer
No meu sono tu entras tão sorrateiro
E quando menos espero já estou a sonhar
Me fazes companhia durante o sono inteiro
Pois só te vais com o meu despertar
És para minha insônia a companhia perfeita
Pois a minha mente rápida vai te buscar
E minha alma a tudo se acomoda, se ajeita
Pois sabe que o imprescindível é saber esperar
E assim vou vivendo levando meu tempo em esperar
As vezes nem percebo quando é real ou ficção
Mas continuo esperando, e já nem tento te alcançar
E mesmo não pagando aluguel, moras em meu coração
Só não sei até quando isto te será permitido
Pois brincas, até zombas, e nada faço pra impedir
Já que este amor me parece assim tão proibido
Vou continuar na luta, mas nunca pra ti irei fingir
Se um dia eu me cansar dessa lutar e desistir
Que nunca esqueças de também lembrar
Que me chegasse aos poucos sem eu pressentir
E talvez minha ausência em tua vida assim se fará
Não passarei de simples e talvez agradáveis lembranças
Quando no tempo de esperar eu também me cansarei
Será no derradeiro momento, quando não houver esperanças
De vivermos nosso sonho...Que na tua lembrança o sepultarei

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios