segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Reminiscências Imperfeitas



Minha tristeza anda tão aparente
É que já não consigo mais esconder
Para alguns, não tem sido indiferente
E não ouso confessar que a razão é você

E a minha mente sempre tão traiçoeira
Me lembra palavras e gestos tão frios
Essas lembranças nunca serão as derradeiras
Nem tão pouco virão em momentos tardios

Serão sempre lembranças dolorosas para mim
Recordações tão amargas e nunca bem aceitas
Elas até se revelam sem início e sem fim
São reminscências amargas e também imperfeitas

E nos momentos de silêncios constantes
Quando as imagens se confundem na minha mente
Me sinto dessa vida apenas um mero viajante
De olhar perdido, nesse vazio e triste poente



São

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios