quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Passou-se O Tempo


Eu sei que todos os desgostos sofridos
(e olha que não foram poucos, eu sei)
Abreviaram ainda mais os dias meus
E foram sempre muito amargos...E cada um por sua vez
Foi pouco a pouco me tirando a alegria de viver
Mas eu ainda lembro tudo quanto você
Sem pudor me dava em prazer
Pois sempre foi assim que entre nós tudo se fez

Hoje,de tudo distante... Vejo pelo meu olhar de tédio
Bailando as sobras do tudo que me fizeste viver
(e bem sabes que foram muitas loucuras)...
Talvez por isso, até hoje, nada consegui esquecer
E não houve nada que eu não tenha sentido
Pois entre nós tudo nos era permitido
Era amor puro, paixão intensa...Nada fingido
E foi tudo isso que um dia eu tive de você

Passou-se o tempo e meus sentimentos a tudo resiste
Embora no tempo...O tempo, quase tudo isso levou
E não importando o que o destino permitiu
A minha vida soçobrou nas mágoas desse amor.
E amar assim como amei, nunca mais... Não tem jeito
Pois nem as cicatrizes que ainda guardo no peito
Consegue taxar esse amor de imperfeito
Pois eu sei que foi algo muito grande,raro e embriagador

Um comentário:

C. Dorothy disse...

lINDO ESSE POEMA, BEM COMO TODOS OS OUTROS QUE FIZESTE... SAUDADES GIL, COMO ESTÁ VC AMIGA? BEIJOS! ME FAÇA UMA VISITA TENHO ESCRITO BASTANTE, BJS!

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios