terça-feira, 16 de setembro de 2008

Solidão A Dois



Parada diante do tempo

Com o coração angustiado

Relembro trisonha

De um outo passado

Pelas asas do vento

Um outo sentimento

Foi levado

Deixando apenas vestígios

De um sonho desejado

Sonho desfeito

Sonho acabado

Suspiro tristonho

Suspiro abafado

Inesperadamente

Surge um outro sentimento

Mais triste mais latente

Bem mais amargurado

Onde se apaga o deslumbramento

E tudo o mais já se foi

É triste

Se perde o encantamento

E surge desgraçado

Um outro sentimento

A dor lancinante

Da terrível solidão a dois

É dor amargurada

Se morre vivendo

Se vive morrendo

E antes que o dia amanheça

O silêncio da noite persiste

Dentro da alma já quase morta

Pelas cruéis ciladas do destino

Que dilacera o coração

De um amor que se julgava imortal

Persiste a dor

Grita calado

Num apelo mudo desesperado

Rasgando a alma como um punhal

Um sentimento maior

Insiste

Triste

E nunca desiste

A ilusão

É grande realmente a dor

A perda de um amor

Maior porém

Mais dorido também

É o tudo que se foi

Porém maior que tudo

É o que ficou

A terrível solidão a dois.

Nenhum comentário: