segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Para mim, ser poeta é dar vida ao que está morto, é despertar sentimentos é ecoar um grito abafado que se esvai nos estertores da própria alma, é alcançar o infinito e sucumbir dentro de si... na inútil tentativa de calar o pranto, a dor e todo sofrimento que lhe faz maior no soluçar do que um dia poderia ter sido menor... Ser poeta é morrer um pouco a cada dia para dar vida ao que não se criou...




 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios